Por Em Em 28 abril, 2017

Entenda o que mudou na monetização no YouTube em 2017

A produção de conteúdo em vídeos é uma tendência forte no Brasil e no mundo: basta ver o número crescente de cursos online, youtubers e outros produtores. Afinal, se você tem uma ótima ideia ou um conhecimento profundo sobre determinado assunto, por que não usar vídeos para compartilhá-los? Para produtores, o YouTube é o local perfeito para começar a atrair audiência para o seu conteúdo. Fundada em 2005, a plataforma foi revolucionária desde sua criação – e continua sendo a preferida para hospedar vídeos gratuitamente no mundo todo. Mas você sabe como funciona a monetização no YouTube?

Antes de começar, você pode gostar de ler também o nosso guia para montar um home studio independente do seu orçamento. Acesse aqui!

Muitos produtores utilizavam apenas a monetização oferecida pela plataforma, baseada em anúncios que o Google veiculava em seus vídeos. No entanto, esse processo sofreu algumas mudanças recentemente, o que limitou as possibilidades de monetização para alguns criadores.

Pensando nisso, pesquisamos sobre esse assunto para entender o que mudou e como isso afeta produtores que queriam monetizar com o YouTube. Vamos lá?

Como funcionava a monetização no YouTube?

A monetização no YouTube é baseada no chamado YouTube Partner Program, que permite o cadastro gratuito de produtores de conteúdo que já possuem uma conta na plataforma.

Até esse ano, diversos tipos de produtores de conteúdo poderiam ganhar dinheiro com anúncios veiculados no início de seus vídeos. Os pré-requisitos para ser aceito no YouTube Partner Program eram:

  • Mostrar claramente que você produz conteúdo original;
  • Produzir conteúdo em uma frequência regular;
  • Possuir conteúdo que obedeça às regras da Comunidade do YouTube;
  • Estar localizado em um dos países da lista do Partner Program.

Assim, era mais fácil começar a ganhar dinheiro com vídeos, ainda que fosse em pequena quantidade.

A partir desse cadastro, o processo era relativamente simples: caso aprovado no programa, seu canal poderia começar a veicular anúncios. Por meio da AdSense, a plataforma oficial de anúncios da Google, anúncios seriam veiculados em alguns vídeos, de acordo com a escolha automática do sistema. Portanto, seu lucro viria a partir da quantidade de cliques em anúncio ou tempo de publicidade assistido pela sua audiência.

Se você quer entender mais sobre quanto ganha um YouTuber, pode ler nosso nosso artigo detalhado sobre a monetização na plataforma!

Por que mudou?

Pela aparente simplicidade de monetização, muitos produtores se aplicavam ao programa e isso dificultava a validação dos canais que seriam aprovados. Além disso, os anunciantes não tinham controle sobre os vídeos em que seus anúncios apareciam: a escolha de em que conteúdo a publicidade aparece é totalmente do sistema (que, por sua vez, é baseado em um algoritmo e não em uma validação do YouTube em si).

Consequência: um grande número de propagandas era veiculado em vídeos considerados ofensivos e censuráveis.

Para grandes empresas, tais como a Vodafone, a Starbucks e a PepsiCo, esse acontecimento foi suficiente para que saíssem da plataforma de anúncios da Google.

Esse movimento gerou repercussão pela internet e recebeu adesão de um número crescente de empresas mundiais. Para um administrador de marketing de uma grande corporação, esse tipo de associação do anúncio a um vídeo ofensivo pode ser extremamente prejudicial ao nome da marca.

Assim, no dia 20 de março, o YouTube fez a sua declaração sobre o ocorrido, tomando novas posturas com relação ao Partner Program. O posicionamento da plataforma foi de ter ouvido os feedbacks e ter se sensibilizado de forma prática.

O que mudou?

O sistema de eligibilidade do Partner Program se alterou, de modo que o produtor de vídeos deve obedecer a um novo pré-requisito antes de se candidatar:

A monetização no YouTube agora só é possível para produtores que possuem um canal com mais de 10 mil visualizações.

Assim, de acordo com a equipe do YouTube, há maior validação dos produtores que poderão ganhar dinheiro com seus vídeos, garantindo que anúncios não estejam vinculados a vídeos ofensivos.

É importante ressaltar que, a partir de agora, os canais passarão por uma avaliação mais exigente do YouTube – ou seja, nada de trapacear! Muita gente oferece hacks ou “caminhos mais curtos” para conseguir mais visualizações e inscritos, mas não adianta tentar conseguir audiência de forma ilegítima ou você será penalizado na validação pelo YouTube.


Como falamos aqui, monetização no YouTube sempre foi uma tarefa complicada, mas as mudanças no Partner Program tornaram esse processo ainda mais difícil. Apesar de se tratar de uma plataforma extremamente acessada, obter muitas visualizações em seu conteúdo leva muito trabalho – e a recompensa financeira da plataforma não é grande.

Aqui na Samba, acreditamos que se você tem um conteúdo de qualidade, não há motivo para não ganhar dinheiro com ele – portanto, se limitar a uma plataforma pouco recompensadora não precisa ser o seu caso.

Com opções como o Samba Play, você pode ganhar mais dinheiro com seu conteúdo de forma mais rápida. E você não precisa abandonar o YouTube: a plataforma grátis pode ser a sua ferramenta de atração para um portal profissional.

E se quiser saber mais sobre como ganhar dinheiro com seus vídeos, baixe nosso guia completo:

material para aprender a ganhar dinheiro com vídeos online

Contribua com este post nos comentários

Assine e receba todas as novidades sobre vídeos online em seu email.