Por Em Em maio 29, 2017

Como dar aulas online: tudo que você precisa saber para começar um negócio EAD

Você com certeza já deve ter escutado alguém falar que está cursando faculdade à distância (o famoso EAD) ou que anda recorrendo a aulas online como forma de reforço, não é mesmo? Esse movimento de ensino na web é um mercado que vem crescendo, se fortalecendo e evoluindo no país, abrangendo uma rede de conteúdos cada vez mais diverso e, portanto, fazendo cada vez mais professores procurarem saber como dar aulas online.

Esse crescimento de mercado, na verdade, pode ser facilmente explicado por alguns pontos.

O primeiro deles é o investimento. Nesse modelo, um professor pode gravar seu conteúdo em casa e, com isso, economiza em aspectos como deslocamento, alimentação e locação de equipamento e estúdio. Com isso, as aulas conseguem ser gravadas com um orçamento mais baixo e, portanto, podem ser disponibilizadas por um valor igualmente menor. Sendo assim, um curso online demanda um baixo custo tanto para quem o produz, quanto para quem o consome, quando comparado ao investimento necessário para um ensino tradicional.

Outro ponto que justifica a expansão da aula online é a lógica da própria internet. Quando você tem dúvida sobre algum tópico ou assunto, a rede online é o primeiro lugar ao qual você recorre para obter a resposta, não é mesmo? Com isso, a internet tornou possível aos professores uma maior facilidade de se conectar com um público, inclusive, muito mais amplo do que o que conseguiria em uma sala de aula.

Por fim, outra característica que reflete na preferência pelo ensino a distância é seu formato, que permite uma maior liberdade de conteúdos. Ao ter seu próprio programa e planejamento, você pode tratar, nas aulas, assuntos que não são abordados nas grades escolares, por exemplo, conseguindo aprofundar mais em determinadas matérias.

Portanto, se você domina um conteúdo, o EAD pode ser a solução para o seu projeto. Mas, se você ainda não sabe como dar aulas online, a gente está aqui para ajudar!

Vamos passar pelos pontos básicos que você precisa pensar na hora de esquematizar seu ensino a distância.

E, para que você consiga se organizar bem trabalhando em casa, confira nosso artigo e aprenda a dominar a arte do home office

Entenda seu público

O primeiro passo para quem quer dar aulas online é conhecer seu público.

Se você já lecionou em salas de aula, sabe a importância de se comunicar na mesma língua que seus alunos – não se adequar à sua realidade pode dificultar (e muito) o processo de aprendizado.

Portanto, estude sua audiência antes de começar. Assim você vai ter muito mais facilidade na hora de pensar referências, exemplos e assuntos que podem ser levantados durante a vídeo-aula e, eles, muito mais facilidade em fixar o que é ensinado ali.

Além disso, entender o perfil de quem te assiste vai te ajudar a saber as principais dores do seu público. Com essa informação você vai ter um melhor controle sobre o que deve ser lecionado ou os pontos onde deve dar mais profundidade durante a matéria.

Planeje seu conteúdo

Consumir conteúdos online, na verdade, pode ser uma tarefa pesada. Ao contrário do dinâmica da sala de aula, onde existe uma interação  maior entre alunos e professor, assistir aulas online é uma atividade, na maioria das vezes, feita sozinha e sem pausas – e, por isso, pode acabar sendo um processo massante.

Mas é exatamente aí que um bom professor entra! É possível otimizar sua forma de dar aulas pensando no formato online.

Seja leve

Pensar em um roteiro leve é imprescindível na hora de pensar como dar aulas online. Sua fala, por exemplo, não precisa ser rebuscada demais, como quem discursa em uma conferência – muito pelo contrário: pense na sua aula como uma conversa e tente se expressar do modo mais natural o possível.

Além disso, interaja com quem assiste. Faça perguntas, piadinhas e dê exemplos mais divertidos – assim as pessoas vão ter mais interesse em continuar prestando atenção no que você diz.

Segmente seu conteúdo

Lembra que a gente falou que a falta de interação proporcionada pelas aulas online pode tornar o conteúdo pesado? Fragmentar a matéria em diferentes vídeos é uma das melhores soluções para esse problema.

Se você é um professor de física e vai preparar aulas sobre as Leis de Newton, por exemplo, ao invés de ensinar todas elas em um único vídeo, você pode gravar cada lei separadamente.

Essa segmentação do conteúdo ajuda (e muito) a compreensão dos seus alunos, pois eles não precisam absorver o conteúdo de uma só vez, tendo a possibilidade de dar pausas entre um vídeo e outro para fazer exercícios de fixação ou, até mesmo, descansar.

Essa divisão deve ser feita de forma estratégica, claro – de nada adianta parar no meio de uma linha de raciocínio, não é mesmo? Por isso, pense em uma fragmentação que não quebra o conteúdo, mas sim, o organiza em pontos de importantância e complementaridade.

Uma boa estratégia, inclusive, é induzir sua audiência a outros vídeos. Voltando ao exemplo do professor de física, durante o vídeo da primeira lei você pode chamar seu público aos outros – “as outras duas leis vieram mais tarde, assim como vamos tratar no próximo vídeo”. Da mesma forma, durante os outros conteúdos, você pode relembrar a audiência de vídeos anteriores – “assim como explicamos no primeiro vídeo”. Isso mantém seu público interessado a consumir não apenas um de seus vídeos, mas todo um conteúdo.

Proponha atividades e disponibilize conteúdos extra

Não é só porque você não tem alunos presenciais que pode deixar as tarefas de fixação de lado.

Uma das características que podem diferenciar seu conteúdo de outros é a disponibilização de materiais extras sobre o que está sendo lecionado. Proponha listas, provas online, ebooks e pdf sobre o material, por exemplo – assim você garante que seus alunos tenham arquivos de base e testes para estudar e se aprofundar ainda mais naquele determinado assunto. Uma dica é que, ao fim de cada vídeo de uma mesma matéria, você inclua uma atividade rápida e, ao final do conjunto de vídeos, uma prova que relacione o conteúdo ensinado em cada um deles.

Você pode indicar, também, filmes, livros e artigos acadêmicos como material extra. Pense em conteúdos que vão complementar o ensino daquele assunto, permitindo que seu aluno se aprenda de forma mais lúdica.

Para ir além, ainda, você pode se propor a fazer transmissões ao vivo para corrigir os exercícios e comentar os materiais extras. Assim você tem a chance de ter um diálogo mais direto com seus alunos e tirar dúvidas que ainda restarem.

Para te ajudar a fazer transmissões ao vivo de alta qualidade, a gente preparou um material completo passando por todos os passos desse processo

como dar aulas online com transmissão ao vivo

Mantenha-se atualizado sempre

A internet é uma ferramenta poderosa de pesquisa, portanto é de extrema importância que você mantenha seu conteúdo sempre atualizado se quer garantir sua autoridade naquele assunto.

Por isso, além de ficar sempre de olho no que está acontecendo no mundo e, principalmente, no seu campo de atuação, para criar conteúdos os mais contemporâneos o possível, não deixe os materiais mais antigos de lado – sempre que necessário atualize o que você já tem.

Assim como já explicamos, o universo EAD te dá a oportunidade de extrapolar a grade escolar, portanto, aproveite também o que anda bombando no mundo web para criar novos vídeos.

Tenha os equipamentos certos

Roteiro pronto, vídeos esquematizados e calendário de gravação montado. Tudo pronto, certo? Na verdade, não. Uma das partes mais importantes na hora de se pensar como dar aulas online é se cercar dos melhores equipamentos para gravar seus conteúdos.

Imagine que você tem que dar aula em sala e perde a voz – seria extremamente difícil que seu alunos entendessem a matéria, não é mesmo? É exatamente essa a sensação que gravar vídeos com a qualidade ruim passa. A verdade é que de nada adianta ser autoridade em um assunto se você não consegue transmiti-lo de maneira clara para seu público. Por isso, é extremamente importante que você preze pelos equipamentos de gravação.

Os passos básicos de quem quer ter um vídeo com qualidade profissional é investir em uma boa câmera, um bom microfone e em aparelhos de iluminação. Com essa tríade você consegue facilmente elevar seu conteúdo a um nível de produção muito maior e, assim, se afirmar, com mais convicção, como autoridade naquele ramo.

Como dar aulas online e ganhar dinheiro

Hoje, a melhor maneira de transformar suas aulas online em uma fonte de renda é criando um canal de vídeos profissional.

Com o seu canal, você não precisa se preocupar em depender de anúncios para conseguir lucrar com seu conteúdo, pois pode vender o que produz por meio de um modelo de assinatura ou modelo transacional, por exemplo.

Se você produz uma quantidade alta e frequente de vídeos, você pode criar seu próprio Netflix de nicho, oferecendo conteúdos ilimitados aos seus assinantes em troca de um pagamento mensal.

Já no modelo transacional, você pode optar por criar conteúdos que podem ser vendidos separadamente, oferecendo pacotes específicos de vídeos aos consumidores. Assim você consegue gerar renda mesmo sem uma produção constante de novos conteúdos.

Para todas essas soluções de canais de vídeo, a Samba Tech criou a plataforma Samba Play! Com ela você pode criar seu canal personalizado sem se preocupar com a parte jurídica ou em ter que contratar designers para o seu projeto, por exemplo – a nossa equipe cuida de todos os detalhes e, você, foca no conteúdo!

Para conhecer melhor os recursos do Samba Play, você pode fazer um tour pela plataforma no nosso site!


Criar seu canal de vídeos ao investir em EAD pode revolucionar o seu negócio, e muitos dos nossos clientes já aprovaram essa receita!

E agora que você já sabe como dar aulas online e entendeu a importância de ter bons equipamentos na hora de gravá-las, é hora de aprender mais sobre como montar seu home studio – assim você consegue gravar vídeos de excelência diretamente de casa! É só clicar na imagem para baixar o material especial que separamos para te ajudar a montar seu estúdio de gravações.

como dar aulas online com estudio de gravação

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 25, 2017

NÃO ENTRE EM PÂNICO: O Guia do Melhor Produtor de Vídeos da Galáxia

Se você já passou horas na frente de um videogame, maratonou sua saga de filmes preferida em um único dia e já sonhou em viver em outras galáxias, você provavelmente deve entender o quanto o dia 25 de maio é simbólico e importante. Mas se você não viveu nada disso, tudo bem! Estamos aqui para ajudar.

O dia 25 de maio é conhecido como o Dia do Orgulho Geek ou Dia da Toalha. Isso porque, nesse mesmo dia, em 1977, era exibido ao mundo pela primeira vez o primeiro episódio de uma das sagas mais importantes da história do cinema: “Star Wars”. E como se isso por si só não bastasse para o 25 de maio entrar para a história, alguns anos depois, em 2001, os fãs de “O Guia do Mochileiro das Galáxias” – outra obra marcante do universo geek – decidiram eleger o dia como o Dia da Toalha, como forma de homenagear o escritor da série, Douglas Adams, que havia falecido alguns dias antes.

Por isso, o dia 25 de maio é tão importante para a cultura geek e é comemorado em todo o mundo por fãs de diferentes idades e com diferentes preferências.

Se você já leu o “Guia do Mochileiro das Galáxias” ou pelo menos já ouviu falar sobre o livro, já deve saber que você nunca deve sair de casa sem ele – ou sem uma toalha. Afinal, ele é a obra mais útil para um viajante intergaláctico e pode salvá-lo em diversas situações.

Então, inspirados nesse livro e em suas lições, nós resolvemos criar o Guia do Melhor Produtor de Vídeos da Galáxia! Nele você vai encontrar 10 dicas que todo produtor deve seguir se quiser atingir os melhores resultados com seus vídeos.

Preparado? Então pegue sua toalha e, caso tenha algum problema no percurso, NÃO ENTRE EM PÂNICO! Vamos te ajudar 😉

nao entre em panico dia da toalha

1. Não seja um vogon

De acordo com o Guia, “os vogons são uma das raças mais desagradáveis da Galáxia […], são mal-humorados, burocráticos, intrometidos e insensíveis.” Então, nosso conselho é: para ser um ótimo produtor de vídeos, nunca, em hipótese alguma, seja um vogon.

Para começar, jamais seja mal-humorado: é importante que seus vídeos tenham uma cara simpática, mesmo se estiverem tratando de um assunto sério. Não precisa forçar um tom cômico, claro – mas procure fazer com que as pessoas se identifiquem com você e com seu conteúdo.

Além disso, não seja burocrático. O sucesso do conteúdo em vídeo hoje é muito baseado na didática – pense em videoaulas, por exemplo. Além da parte visual que é bastante importante, a diferença de um vídeo para uma apostila é a presença do professor, certo? Portanto, torne as coisas simples para quem está te assistindo do outro lado.

Para não ser intrometido como um vogon, procure pensar bem na forma certa de se aproximar da sua audiência. Claro, você quer alcançar um grande público, mas um marketing invasivo pode ser muito danoso para sua reputação. Procure ter uma frequência de divulgação constante, mas não excessiva – sem “floodar” quem te segue!

Por fim, não seja insensível como um vogon: construa um relacionamento com a sua audiência, pois eles são seus maiores apoiadores. Ouça feedbacks, atenda a sugestões e responda quem te procura. Assim, seu público irá te promover de forma orgânica.

2. Entenda que alguns acessórios são como toalhas

Se você é um bom Mochileiro das Galáxias, já deve saber que uma toalha é o item mais essencial em sua jornada. Como descrito por Douglas Adams em seu livro, uma toalha pode ter inúmeras utilidades e vai te salvar na maioria das situações.

“[…] a toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você -estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa.” – Guia do Mochileiro das Galáxias.

E não para por aí! O autor fez questão de dedicar uma página inteira à toalha e às suas infinitas utilidades (agora você entendeu porque o dia 25 também é o Dia da Toalha, né?).

Quando você está produzindo vídeos, existem objetos que também são essenciais e que, apesar de não possuírem tantas utilidades, podem acabar salvando sua filmagem. Como o tripé! Ninguém gosta de assistir um vídeo com a imagem tremida e instável, certo? Então, ter sempre um tripé a mão vai te dar mais segurança na hora das tomadas e deixar seu filme com uma qualidade mais profissional.

Ter uma cartão de memória com bastante espaço também vai ajudar a evitar que você tenha problemas durante a gravação e precise interrompê-la porque não cabem mais arquivos no local de armazenamento. Da mesma forma, é importante ter sempre uma bateria extra para sua câmera. Assim você consegue gravar tudo que precisa de uma só vez e não tem trabalho extra!

3. Conheça sua audiência antes de qualquer coisa: ofereça uma xícara de chá!

O Guia também nos ensinou que ao encontrar uma forma de vida alienígena desconhecida, a melhor saída é lhe oferecer uma xícara de chá. E como a gente sabe que não é muito fácil falar com quem você não conhece, aconselhamos você a fazer o mesmo com o seu público.

Puxe uma cadeira, sirva duas xícaras e o convide a se sentar para bater um papo: pisar em território desconhecido nunca é uma boa ideia, por isso, conhecer bem seu público é imprescindível para que seu projeto tenha sucesso. Esse estudo da audiência vai te fazer entender melhor qual conteúdo você deve produzir e qual o melhor formato para produzi-lo.

4. Nem todos tem acesso a um Peixe-Babel. Facilite a compreensão do conteúdo!

Um Peixe-Babel pode salvar vidas: coloque um deles na orelha e ele instantaneamente traduz todo e qualquer idioma. Essa é a dica do Guia para que um bom mochileiro consiga conversar em qualquer planeta da galáxia.

Seria ótimo se todos nós pudéssemos ter um Peixe-Babel, mas, como esse não é o caso, você deve tomar cuidado e falar a mesma língua que seu público – ou, muito provavelmente, ele não vai te entender!

Imagine, por exemplo, um cenário em que você se depara com um vídeo que tem um áudio ruim ou em que a pessoa fala de forma muito apressada. É muito provável que você desista dele rapidamente, não é mesmo? – afinal, de nada adianta assistir a um conteúdo que não vai ser compreendido.

Exatamente para prevenir que seu vídeo passe por esses problemas, é importante que você seja cuidadoso com o áudio da sua produção. Escolher um bom microfone para te acompanhar já é um ótimo passo, mas, mais do que isso, você precisa falar de forma bem articulada e clara para que seus ouvintes te entendam.

Além disso, aqui é mais um momento importante para sentar e tomar uma boa xícara de chá com o seu público. Estude a forma como ele se comunica para conseguir, assim, definir qual a melhor linguagem a ser usada em seus vídeos. Já imaginou um conteúdo voltado para a terceira idade que usa palavras como “lacrou” ou “top”? Ou, no caso contrário, um vídeo voltado para o público jovem que diga coisas como “pitel” e “manda brasa”? Ia ser muito mais difícil absorver um conteúdo se a cada frase você não soubesse o significado de algumas palavras, né? Por isso, é de extrema importância que você facilite a compreensão de quem te assiste.

5. Seja tão inteligente quanto Marvin (mas não tão depressivo)

No livro, Marvin é um robô criado a partir de um protótipo de personalidade humana que, infelizmente, deu muito errado. Assim, apesar do seu QI 50.000 vezes superior ao de um ser humano, o robô acabou se tornando um androide deprimido.

Quando Marvin é questionado sobre algum assunto, sua reação é uma resposta pouco esclarecedora, seguida de uma série de lamentações. Como produtor, procure não ser como o robô: seja solícito com o seu público, compartilhe um conteúdo de qualidade, que atenda às demandas e esclareça dúvidas.

Mas se você quiser se inspirar no androide, inspire-se em sua inteligência! Você pode não ser um robô de QI infinito, mas você pode sempre pesquisar bastante. Afinal, o melhor produtor de vídeos da galáxia estuda e se torna referência no assunto que trata.

marvin guia do mochileiro das galaxias nao entre em panico

6. Assim como o Marvin, seu conteúdo antigo também pode ser bem útil

Já imaginou ser 37 vezes mais velho do que todo o universo? É exatamente assim que Marvin se sente. Com um conhecimento maior do que o mais sábio dos homens, o androide tem a capacidade de conversar sobre as novidades do momento tão bem quanto sobre assuntos antigos, sempre apto a esclarecer qualquer dúvida.

Assim como Marvin, você deve tentar ter domínio sobre os mais variados tópicos ligados ao seu negócio e, inspirando-se no androide, você pode sempre recorrer a materiais antigos para complementar os novos. Reciclar seu conteúdo é uma estratégia fundamental para se manter sempre atualizado e fortalecer sua marca como uma referência naquele campo. Por isso, não tenha medo de repostagens ou aproveitamento de materiais antigos – só tenha o cuidado de sempre checar se ele não tem nenhuma informação ancestral demais e, portanto, desatualizada.

Aqui neste material você pode entender direitinho como reciclar seus conteúdos antigos sem perder em qualidade.

deixar videos antigos relevantes no dia da toalha

7. Seja mais Guia do Mochileiro e menos Enciclopédia Galáctica

Segundo a obra de Adams, o Guia do Mochileiro é um livro “concorrente” da Enciclopédia Galáctica, mas que conseguiu fazer muito mais sucesso e ser mais amado entre os viajantes interestelares.

Segundo o livro “A razão de o Guia do Mochileiro das Galáxias ser o livro de maior sucesso da galáxia é, em primeiro lugar, por ser menor e ligeiramente mais barato do que a Enciclopédia Galáctica e, em segundo lugar, por trazer a frase ‘Não Entre em Pânico’ em letras garrafais e amigáveis escrita na capa.”. Portanto, quando for fazer um conteúdo, lembre-se de pensar em como você pode ser melhor do que a concorrência e como você pode se destacar perante o público. É importante conhecer sua audiência e entender o que ela quer.

No caso do Guia do Mochileiro, esse livro conseguiu o sucesso porque era mais simples do que a Enciclopédia Galáctica. E para um vídeo, esse ponto também é extremamente importante. Pense que a duração ideal para seu vídeo é o tempo em que você consegue passar sua mensagem com qualidade e sem enrolações. Seja objetivo e claro! Isso é essencial.

E assim como o Guia, faça tudo para ser atrativo para sua audiência ainda nos primeiros segundos. Você não precisa escrever NÃO ENTRE EM PÂNICO em letras garrafais no início do conteúdo, mas pode apostar em uma boa trilha sonora, pode fazer perguntas, contar histórias e também produzir um thumbnail legal.

8. Faça seu cenário ser tão incrível quanto a Coração de Ouro

No livro escrito por Douglas Adams, a nave Coração de Ouro é uma das mais incríveis da galáxia. Ela é redonda, é totalmente nova e moderna e – o melhor – possui um gerador de improbabilidade infinita que permite que ela viaje de um ponto a outro da galáxia facilmente.

Portanto, para a produção do filme do “Guia do Mochileiro das Galáxias”, era necessário construir um cenário que estivesse à altura do que foi descrito no livro. Para isso, a produção caprichou e foi tão minuciosa que o que seria o interior da nave, foi iluminado com mais de 3.000 lâmpadas – cada uma delas colocada à mão! Impressionante, não é?

E é esse mesmo cuidado que você deve ter com o cenário das suas produções! Um bom cenário é essencial para o sucesso de um vídeo e pode impactar diretamente na forma como as pessoas percebem e aceitam seu conteúdo.

Um cenário mal iluminado, desorganizado e que não tem nada a ver com o conteúdo do seu vídeo, pode dificultar a compreensão da sua mensagem, dar a impressão de falta de profissionalismo e fazer com que as pessoas não se engajem com seu canal. Por isso, sempre mantenha suas cenas organizadas e bem iluminadas e busque por elementos que remetam ao tema do seu conteúdo. Se possível, tenha um espaço reservado para gravar e o mantenha sempre arrumado para lhe poupar tempo.

Quer saber como montar seu próprio estúdio de gravação independente do orçamento? Acesse nosso guia aqui!

9. Ainda que demore 27 anos, seu conteúdo precisa ser bem produzido

Produzir só por produzir não vai te tornar o melhor produtor de vídeos da galáxia. Um bom vídeo é feito de paciência e, principalmente, planejamento minucioso – por isso, nada de correria ou seu conteúdo pode acabar sendo um fiasco.

Até alcançar as telas do cinema na melhor adaptação possível, o Guia do Mochileiro das Galáxias teve de esperar 27 anos, mas NÃO ENTRE EM PÂNICO: você não vai precisar de tanto tempo assim para conseguir produzir bons conteúdos para o seu canal.

O primeiro passo para alcançar a qualidade profissional é selecionar os equipamentos certos para serem seus aliados. Pense qual câmera mais combina com o seu projeto, invista em iluminação e tenha em mãos um bom microfone. Assim, você garante uma ótima produção para seu conteúdo e consegue fazer com que as pessoas se interessem pelo o que você tem a dizer.

O planejamento é outra peça essencial para o sucesso da sua estratégia – afinal, de nada adianta ter boas ideias se você não conseguir executá-las bem e acabar decepcionando seus fãs, não é mesmo? Por isso, pense com carinho no processo de filmagem e detalhe tudo o que achar necessário para que ele aconteça: dos materiais necessários ao roteiro do vídeo – trace todo o seu caminho.

10. 42 é a resposta à questão fundamental sobre a Vida, o Universo e Tudo o Mais

Há muito tempo atrás, em um planeta desconhecido em outra dimensão, uma raça de seres hiperdimensionais ficou de tão saco cheio de tentar achar a resposta para o Vida, o Universo e Tudo Mais, que resolveu construir um super computador capaz de calcular uma resposta definitiva para essa pergunta. E a esse computador chamaram de Pensador Profundo.”

E foi assim que o Pensador Profundo descobriu: a resposta para a questão fundamental sobre a Vida, o Universo e Tudo o Mais era 42. Perplexos, os pesquisadores questionaram qual era a pergunta fundamental – essa, o computador já não sabia dizer.

Você pode encontrar muitos produtores de conteúdo igualmente ansiosos para encontrar a fórmula para o vídeo perfeito, mas essa é uma pergunta sem resposta. O vídeo perfeito é aquele que atende necessidades específicas, e necessidades que variam de público para público.

Então, não adianta tentar construir um Pensador Profundo para desvendar esse mistério: procure entender a sua audiência e aperfeiçoar o seu tipo de vídeo para aquilo que seu público precisa.

Qualquer coisa, a resposta é 42.

gif guia do mochileiro das galaxias nao entre em panico 42

Conclusão: NÃO ENTRE EM PÂNICO!

Em muitas das civilizações mais tranquilonas da Borda Oriental da Galáxia, este artigo já se tornou o repositório-padrão de todo o conhecimento e sabedoria para um produtor de vídeos.

Mesmo assim, se você ainda quiser se aperfeiçoar, nosso blog tem mais de 42 outros artigos incríveis para que você se torne o melhor produtor de vídeos da galáxia – então não deixe de conferir! 🙂

E para você que entendeu todas as referências e já está com sua toalha em mãos (ou não entendeu, mas quer aprender todos os segredos da cultura geek), temos uma sugestão para você: o TIM Geek, um aplicativo perfeito para quem quer se manter informado sobre o mundo nerd! Nele, você recebe notícias exclusivas sobre suas HQs, filmes, séries e games preferidos – contando com a curadoria de especialistas do Omelete, maior site de entretenimento do Brasil. Vai perder?

Por fim, para ter mais insights para suas produções, não deixe também de acessar o relatório da nossa pesquisa sobre como pessoas e empresas produzem vídeos no Brasil.

como pessoas produzem videos aprenda no dia da toalha

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 19, 2017

Como criar um canal de vídeos profissional

Você sabe como criar um canal de vídeos profissional? Nesse artigo, vamos detalhar sobre o processo de criação e como produzir seu conteúdo passo a passo – para que você crie o seu do zero, ou aperfeiçoe o que já tem. Vamos lá?

Primeiro, vamos entender um pouco: por que os canais de vídeos são uma tendência crescente?

Enquanto até pouco tempo atrás os grandes produtores de conteúdo sonhavam em ter alguns minutos no horário nobre da televisão, mesmo que fosse em um canal com baixa audiência, e até mesmo as grandes personalidades da internet acabavam migrando para a telinha, hoje o que acontece é um processo um pouco diferente, que acabou gerando o que conhecemos hoje como Web TV.

Como as pessoas passam cada vez mais tempo conectadas, as grandes oportunidades estão na web e em um formato de conteúdo que não para de crescer: os vídeos online. Novos canais de conteúdo surgem todos os dias na internet e, com certeza, você já consumiu informação proveniente de algum deles sem saber da importância que eles têm em nosso contexto comunicacional atual.

Hoje, os vídeos são um diferencial para a manutenção e sucesso de diferentes negócios e investir nesses materiais é necessário se você deseja ter uma estratégia de comunicação completa e efetiva.

Você tem uma ideia para produzir conteúdo e quer torná-la realidade? Então, vamos explicar como criar um canal de vídeos profissional:

. Por que investir em um canal de vídeos?

. Como criar seu canal de vídeos

. Planejamento

. Conteúdo do canal

. Como criar seu canal na plataforma certa

. Divulgação + Vídeo 

. Monetização

. Conclusão

Fizemos uma pesquisa com dados sobre produção de vídeos que podem ajudar a embasar seu projeto. Baixe o relatório e confira!

CTA pesquisa

Por que investir em um canal de vídeos?

Para que você entenda o poder dos vídeos, separamos alguns dados: de acordo com uma pesquisa recente realizada pelo Google, no Brasil, 40% da população que tem acesso à internet já assiste vídeos. Dessas pessoas, 25% já assiste mais vídeos online do que TV.

Além disso, hoje as pessoas gastam mais ou menos 6 horas por semana assistindo vídeos sob demanda – o que é mais do que o dobro do que foi registrado em 2011, quando a estimativa era de 2,9 hrs.

Com esses fatores, a produção de conteúdo está convergindo para essa área dos canais de vídeos online. Se você está pensando em investir nessa área ou tem um negócio nesse sentido, deve começar a pensar em realizar esse tipo de investimento.

Um canal de vídeos pode servir a diferentes propósitos e negócios. Com ele, você pode criar conteúdo no formato de cursos ou tutoriais, fortalecendo a reputação, confiabilidade e melhorando seu relacionamento com as pessoas. Pode também criar conteúdo demonstrativo sobre seus produtos e serviços, tangibilizando as vantagens deles e aumentando as chances de consumo por parte dos clientes. É possível até mesmo usar esses vídeos em um canal para impulsionar suas vendas e sua estratégia de marketing.

Como criar um canal de vídeos

Muitas pessoas já estão cientes desse novo cenário e compreendem a necessidade de investir na produção de vídeos. Porém, para muitas, uma dúvida ainda incomoda: como criar um canal?

Claro que as respostas para essa pergunta são muitas, mas nesse artigo nós vamos tentar te ajudar a ter uma ideia melhor de como criar um canal de vídeos e tirar o seu projeto do papel!

Vamos lá?

01. Planejamento

Para ter um canal de sucesso, o primeiro passo se resume a uma única palavra: Planejamento. Não há como criar um canal de sucesso sem pensar no seu público e na forma que seu conteúdo será produzido, certo? É importante direcionar o seu projeto de acordo com suas necessidades, de forma planejada e cuidadosa para saber onde você está indo e onde quer chegar.

Por exemplo, se você tem um blog em que já produz conteúdos educativos escritos, é provável que vá querer criar um canal para complementar esse ambiente, com tutoriais, aulas em vídeo e outros materiais relevantes. Então, já nesse momento, é importante pensar em pontos como: duração dos vídeos, quem vai produzir esses conteúdos, quem é o público que vai acessá-los, como eles serão divulgados, quem terá acesso aos materiais, se eles serão fornecidos de forma gratuita ou paga, se serão no formato de cursos ou como um vlog, entre outras características do seu canal.

Definir isso tudo agora vai ajudar a nortear uma série de outros pontos que serão estratégicos para sua estratégia no futuro. Pode parecer trabalhoso, mas esse tipo de planejamento irá evitar vários desgastes mais à frente.

02. Conteúdo do canal de vídeos

Definidas as questões mais estratégicas que envolvem a criação de um canal, é hora de partir para uma das partes mais importantes: o conteúdo.

De acordo com dados recentes, 400 horas de conteúdo são despejadas por minuto apenas no YouTube. Por isso, sem cuidado e uma atualização constante, seu canal estará fadado ao fracasso.

É essencial que você tenha um bom planejamento de conteúdo – alinhado aos desejos e necessidades de sua audiência – e ofereça sempre materiais de qualidade a quem acompanha seu canal.  

Ficar de olho no modo como as pessoas estão consumindo esse conteúdo também pode ser essencial para gerar insights para uma produção de vídeos cada vez mais qualificada. Por exemplo, se seu público está consumindo mais os seus vídeos sobre lazer, aposte na produção de mais materiais sobre esse assunto. Se seus materiais com mais de 7 minutos estão tendo baixa aceitação, diminua a duração deles. E assim por diante.

De acordo com a pesquisa do Insight Samba, 66% dos produtores criam vídeos entre 1 e 5 minutos, enquanto 5% produz conteúdo que ultrapassa 25 minutos. Isso não significa, no entanto, que esses 5% tenham audiência menor. Pense assim: para vídeos tradicionais, vlogs e entretenimento, um tempo de duração menor pode ser ideal; mas caso você produza cursos e videoaulas, por exemplo, pode ser interessante gravar vídeos mais longos, com conteúdo mais detalhado e específico.

Lembre-se também de sempre manter um bom nível técnico em tudo aquilo que produzir. Afinal de contas, nada pior do que tentar assistir a um vídeo cuja imagem está muito tremida, desfocada, em que a música de fundo está mais alta que a voz do locutor ou em que há tanto ruído que você não consegue compreender o conteúdo. Isso pode arruinar a experiência do seu usuário e te fazer perder muito em termos de visualização, recomendação, autoridade e confiabilidade.

Caso queira produzir conteúdo de qualidade em casa, confira nosso guia com tudo que você precisa saber para montar seu próprio estúdio!

Já tem seu equipamento e estúdio? É hora de gravar!

Procure cenários adequados ao seu conteúdo, treine as falas, atuação e locução e lembre-se de dividir seu conteúdo em início, meio e fim de forma clara e eficaz. Seja em um curso ou na demonstração de um produto, todo vídeo precisa de um início impactante e uma conclusão clara, que leve essa pessoa a tomar outra ação, como conhecer mais sobre o produto ou a ver mais vídeos, por exemplo.

Não se esqueça também de editar seus vídeos de forma adequada. Escolha um programa de edição, faça cortes e elimine partes desnecessárias, insira legendas, efeitos visuais e sonoros, crie uma thumbnail e, caso precise, escolha também uma trilha sonora para seus materiais.

No vídeo abaixo, nosso CMO, Pedro Filizzola dá algumas outras dicas sobre como criar um canal matador, capaz de atrair muita audiência.

03. Como criar um canal na plataforma certa

Com o conteúdo em mãos, é hora de decidir a parte que talvez seja a mais importante de todo esse processo: onde eles serão exibidos para a audiência. Como criar um canal na plataforma certa?

Nesse momento, você tem basicamente duas opções que serão mais ou menos adequadas de acordo com seu projeto e as suas necessidades: investir em um media center personalizado, em uma plataforma profissional, ou adotar uma plataforma gratuita como o YouTube.

Vamos aos prós e contras de cada opção:

Media center personalizado

Para criar seu canal, não importa qual o tamanho de seu projeto ou a sua necessidade, essa sempre vai ser a melhor opção.

Com uma plataforma profissional de vídeos é possível gerenciar e centralizar todos os seus conteúdos em um blog, site ou canal, personalizado da forma como você preferir e garantir que seus materiais tenham total segurança, estabilidade e qualidade de entrega aos usuários.

Além disso, com essa plataforma, você tem opções ampliadas de monetização dos seus materiais – você pode fornecer conteúdo por assinatura, por exemplo, sem ficar refém das políticas das plataformas gratuitas.

O controle do conteúdo é total nesses ambientes. É o seu projeto ajustado da forma mais estratégica para gerar lucros e benefícios para você.

Começar logo com uma plataforma profissional vai te dar autonomia e liberdade para trabalhar e divulgar seu conteúdo sem medo em qualquer local, garantir autoridade para sua marca e dar mais opções para que você expanda sua estratégia baseado em dados confiáveis fornecidos pela própria plataforma.

Plataforma gratuita de vídeos  

Nesse tipo de ambiente, seus conteúdos ficam totalmente à mercê das decisões da própria plataforma e se perde muito em termos de personalização, segurança, opções de monetização e qualidade de distribuição do seu canal de vídeos.

Para monetizar, por exemplo, o YouTube tem grandes obstáculos. É possível tentar ganhar dinheiro por meio dos anúncios – mas o processo é mais complexo e pouco lucrativo. Além disso, plataformas gratuitas não geram autoridade nenhuma para sua marca ou seus materiais, colocando-os lado a lado com a concorrência.

Para entender mais sobre a monetização em plataformas gratuitas, veja nosso artigo sobre quanto ganha um youtuber!

Por que algumas pessoas continuam optando por esse tipo de serviço? O preço é o motivo principal, já que nesses ambientes você não tem nenhum custo para manter seu conteúdo no ar. Outro motivo é a facilidade para alcançar diferentes audiências, já que a maioria dessas plataformas também funciona como redes sociais, que atraem público para o conteúdo. Como criar um canal, portanto, sem perder nem em monetização ou em visibilidade?

Simples! Você não precisa abrir mão das vantagens de uma plataforma gratuita: basta aliar sua estratégia a um plataforma profissional para retenção. Você pode, portanto, criar um canal no YouTube para se apresentar ao público em geral e divulgar seu conteúdo de forma mais ampla – e, assim, fornecer um conteúdo mais específico e valioso em uma plataforma profissional, onde você pode monetizar por assinatura.

04. Divulgação

Quando falamos em como criar um canal de vídeos, não basta apenas investir seu tempo e dinheiro, montar uma estrutura fantástica e esperar que as pessoas encontrem seu conteúdo por um milagre do destino. É preciso fazer com que seus vídeos cheguem até as pessoas e para isso você deve ter uma estratégia de divulgação bem definida, que mais do que apenas trazer views, te ajude a consolidar sua audiência e fazer cada vez mais sucesso.

Na fase de planejamento do canal você definiu quem seria o público a quem seus conteúdos seriam direcionados e isso vai te ajudar bastante nessa etapa também. A partir do perfil estabelecido, procure identificar em quais redes sociais sua audiência está, quais os sites que ela mais acessa, suas tendências de navegação, e use tudo para te ajudar a divulgar seu conteúdo! Poste pequenos trechos dos conteúdos no Facebook e Instagram para atrair as pessoas para seu canal, publique notícias no Twitter e use também o YouTube para publicar “conteúdos isca” e ganhar mais visibilidade com seu canal principal.

Confira aqui um guia básico para que você divulgue seus vídeos de forma eficiente.

Não esqueça também de estabelecer parcerias de divulgação, postar seu conteúdo periodicamente em seu site ou blog e invista também em estratégias de SEO para manter seus vídeos sempre relevantes perante os mecanismos de busca.

Confira mais algumas dicas do nosso CMO sobre divulgação:

05. Monetização

Como mencionamos anteriormente, plataformas profissionais são mais flexíveis e eficientes nesse quesito e permitem que você monetize seus materiais de formas muito mais rentáveis do que em plataformas gratuitas.

Se seu negócio é conteúdo educativo, por exemplo, que ensina algo ou faz diferença na vida das pessoas, seja no formato de tutoriais, vídeos de faça você mesmo ou cursos e videoaulas, você não precisa ficar preso aos modelos tradicionais de monetização de vídeos, baseados em inserção de anúncios. Você pode ganhar muito mais, por exemplo, migrando para um modelo de assinatura e realizando a venda de seus conteúdos.

Você pode vender seus materiais de forma separada, em pacotes de cursos ou em módulos. Essas são formas muito mais eficientes de lucrar com seu conteúdo e atingir pessoas realmente interessadas nele.


Conclusão

O modo como as pessoas consomem conteúdo está mudando e, hoje, usar vídeos é a melhor forma de se comunicar com o público online e ter sucesso com seu projeto. Por isso, agora você já sabe que a estratégia mais aconselhável para quem quer vender conteúdo audiovisual é investir em uma plataforma profissional de vídeos para criar um canal próprio.

E se você acha que criar um canal de vídeos por assinatura parece uma ideia distante, a gente te prova o contrário: hoje é fácil conseguir ter um Netflix para chamar de seu! Aqui na Samba, por exemplo, a gente lançou o Samba Play, uma plataforma online onde você pode criar seu canal de vídeos de forma personalizada e conseguir monetizar seu conteúdo de maneira simples e eficiente.

E o melhor é que, com a nossa plataforma, você não precisa de preocupar em contratar desenvolvedores ou ter dor de cabeça com a parte jurídica ou a integração de plataformas de pagamento – tudo isso fica por nossa conta. Assim, você pode se focar no mais importante: a produção do conteúdo.

Se você se interessou pela proposta e quer começar seu canal de vídeos online, é importante que, antes de qualquer coisa, você entenda em qual nicho de mercado o seu negócio se encaixa. E para te ajudar a desvendar esse conceito e te orientar nesse processo, a gente montou um e-book com todas as informações que você precisa!

Netflix de nicho canal de vídeos

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 26, 2017

Facebook Ads: aprenda a operar a plataforma de anúncios da maior Rede Social da internet!

Você já reparou no número de propagandas e postagens patrocinadas que aparecem na sua timeline do Facebook? Isso quer dizer que, por meio de algoritmos do Facebook Ads – a plataforma de anúncios própria do site -, você se caracteriza dentro de um perfil interessante para aquela determinada marca.

Se você tem um negócio digital, já sabe como é importante criar conteúdos relevantes para o seu público, não é mesmo? Esse é exatamente um dos segredos do sucesso do Facebook Ads: aqui você consegue divulgar não somente propagandas da sua marca, mas também conteúdos, materiais ou qualquer outro tipo de postagem que você ache interessante de atingir um público maior. Por isso, impulsionar posts no Facebook já se tornou, hoje, uma das formas mais comuns e efetivas de criar anúncios online.

É claro que, assim como em qualquer outra plataforma de anúncios, você vai precisar de alguns testes e certa prática até conseguir realmente ver os resultados da sua ação. E é exatamente aqui que a gente entra: trouxemos algumas dicas para que você consiga programar anúncios cada vez mais efetivos para o seu negócio!

Mas, antes que você comece a programar anúncios na web é preciso que você entenda a importância dessa estratégia. E é exatamente sobre isso que vamos tratar agora!

E falando em impulsionamento de conteúdo, que tal aprender mais sobre como fazê-los gerar receita para o seu negócio?

conteúdos que vendem no Facebook Ads

 

Afinal, por que apostar em anúncios?

Equiparando-se às diferentes formas de propaganda tradicional, o principal motivo que leva uma empresa a criar anúncios online é conquistar visibilidade diante de uma audiência – e sem o impulsionamento de um conteúdo, é muito provável que a pesquisa orgânica se torne a única forma de conseguir com que ele atinja seus clientes.

Ao falar de tráfego orgânico, basicamente, o que queremos dizer é que sua audiência chegará até você apenas se ela procurar por alguma palavra-chave relacionada ao seu conteúdo em um site de pesquisas – como o Google -, ou se ela já tiver um relacionamento com a sua empresa nas redes sociais.

Ou seja, apoiar-se apenas em uma estratégia orgânica é arriscado, pois pode ser que seu  conteúdo circule, majoritariamente, por quem já tem consciência da sua marca e interesse no seu produto.

Ao pagar por um anúncio, no entanto, você consegue atingir um público maior, uma vez que deixa de depender de pesquisas específicas para ser encontrado. Dessa forma, o tráfego pago se caracteriza como uma estratégia que visa aumentar a presença online da sua marca não apenas para os usuários que já te conhecem, mas também para aqueles que não te conhecem e podem ter interesse no que você oferece.

Se você já está convencido da importância dos anúncios online, agora imagine como essa função pode ser potencializada no Facebook, a rede que conta com mais de 100 milhões de usuários no Brasil! Apesar de existirem táticas para conseguir aumentar o tráfego orgânico na página da sua empresa, se você quer promover ofertas, criar audiência voltada para determinados conteúdos ou até mesmo impactar suas personas, por exemplo, o Facebook Ads continua sendo a melhor estratégia para aumentar a visibilidade da sua marca.

Acessando o Facebook Ads

O Facebook Ads é hospedado na própria plataforma do Facebook, portanto, o primeiro passo é saber como acessá-lo, certo? E você pode fazer isso de duas formas:

  • Diretamente pelo Gerenciador de Anúncios: essa ferramenta é mais simples de ser usada e te permite criar anúncios e gerenciar anúncios. Para acessá-la, é só clicar na setinha ao lado do ícone de dúvidas, na barra superior da página do Facebook.

gerenciador de anúncios facebook ads

  • Pelo Power Editor: você também tem a opção de criar e gerenciar seus anúncios por meio de uma plataforma um pouco mais completa. Você pode encontrá-lo fazendo uma pesquisa rápida no mecanismo de busca do próprio Facebook.

power editor facebooks ads

Seja qual for a sua escolha, essas duas ferramentas te guiarão pelo mesmo processo básico de se programar um anúncio: criar uma campanha, um conjunto de anúncios e, só então, o anúncio propriamente dito.

Vamos passar por cada uma dessas etapas agora!

Criando a campanha

A gente já explicou que, ao optar pelo Facebook Ads, você pode atingir tanto as pessoas que já são fãs da sua página, quanto um público que não conhece ou ainda não é engajado no seu negócio. Pois criar uma campanha é exatamente a hora de decidir qual a finalidade do seu anúncio e, portanto, a audiência que ele vai atingir.

Por isso, analise qual ou quais são os objetivos principais da sua estratégia. Você pode criar anúncios com a intenção de ganhar curtidas na página, gerar um maior engajamento ou uma taxa de conversão maior no seu material, por exemplo – pense qual objetivo melhor se encaixa com a proposta da sua divulgação.

Se você estiver usando o gerenciador de anúncios, esta será a sua tela de acesso:

campanha gerenciador facebooks ads

Caso haja dúvida na hora de escolher qual o melhor tipo de anúncio para aquela determinada postagem, o Facebook te ajuda: ao passar o mouse por cima de cada título você pode ver uma pequena legenda explicando sua finalidade e, assim, entender melhor quais serão os resultados da sua ação.

Já no power editor, você vai programar seu anúncio em uma tela como esta:

campanha facebook ads

Depois de determinar o objetivo, chega o momento de criar o conjunto de anúncios, então vamos ao que é necessário saber para usar essa estratégia em seu favor.

Criando o conjunto de anúncios

O conjunto de anúncio no Facebook Ads é uma parte de extrema importância para o seu processo de divulgação. É aqui que você vai poder escolher o público que quer atingir, o posicionamento do seu anúncio, o orçamento que ele vai demandar e a data durante a qual ele será veiculado.

Segmentação de público

Para que seu anúncio seja mais efetivo, é preciso que as pessoas certas o vejam, não é mesmo? Para isso, o Facebook Ads te possibilita escolher o público que será atingido pela divulgação do seu post.

Portanto, se você já possui uma lista de mailing ou dados como o número de telefone de parte de seu público, essa é a hora de usá-los: aqui você vai poder direcionar o conteúdo a quem mais se interessa por ele.

Com essa personalização da audiência, você tem poder sobre dados como sua localização, gênero, faixa etária, idioma, escolaridade e interesses. Você ainda tem acesso sobre os chamados lookalikes, isso é, pessoas com o perfil semelhante àqueles que você selecionou como alvo do seu anúncio.

Posicionamento

Definir o posicionamento dos seus anúncios basicamente significa escolher a forma como ele vai aparecer para o seu público.

Nesta parte do processo, clicando em “posicionamento automático” você pode optar por deixar que o próprio Facebook estude os locais onde seu anúncio alcança um maior desempenho e escolha onde ele vai aparecer.

No entanto, nossa dica é que você opte pelo comando de “editar posicionamentos”, assim você terá um maior controle sobre onde seu conteúdo vai ser mostrado. Com esse poder em mãos, você tem a chance de fazer testes e, assim, entender quais locais de publicação te levam a alcançar um maior retorno de investimento – isso vai ajudar a consolidar sua estratégia de anúncios cada vez mais.

Investimento

No Facebook Ads não existe um orçamento mínimo a ser feito – você pode investir o valor que achar necessário. Pode ser que com apenas R$10,00 já seja possível alcançar algumas de suas metas, mas à plataforma também se aplica a regra de que com maiores investimentos, melhores resultados virão.

Uma das partes mais importantes nesse momento do processo é que você se atente à forma como você vai ser cobrado pelo Facebook: por CPM ou CPC.

Escolhendo o CPM você está usando um pagamento de custo por milhar, ou seja, a cada mil pessoas que veem seu anúncio, você paga uma quantia fixa definida pelo próprio Facebook.

Já o CPC é o custo por clique. Aqui você pode escolher o valor que você está disposto a pagar a cada clique que for feito no seu post de divulgação – ou seja, tem mais controle sobre o investimento final.

Para saber qual tipo de publicação impulsionada mais combina com o seu negócio (e com o seu bolso) só tem um jeito: teste! Experimentar os dois tipos de anúncio é a única maneira de descobrir qual traz um maior retorno ao seu projeto e objetivo.

De qualquer maneira, seja CPM ou CPC, você pode efetuar o pagamento dos seus anúncios no Facebook Ads da mesma forma: com cartão de crédito ou boleto bancário.

Programação

Público indicado, posicionamento escolhido e orçamento determinado – agora resta apenas uma etapa do processo de criar seu conjunto de anúncios: definir quando e por quanto tempo ele será veiculado.

É muito importante que você estabeleça não apenas o início, mas o fim do período em que sua publicidade vai ficar circulando pelas timelines do Facebook, pois sem essa atenção você pode acabar gastando um valor maior do que o orçamento disponível para aquela ação específica.

Criando o anúncio

Depois de todo esse processo, chega, enfim, a hora de criar seu anúncio propriamente dito.

Para fazer isso, existem dois caminhos:

  • Criar um novo anúncio: faça sua publicação totalmente do zero, escolhendo atribuições como a imagem, o formato, o texto e os links.
  • Usar publicação existente: você pode escolher tornar algum post já feito e que seja importante para sua estratégia em um anúncio. Assim, você não precisa se preocupar em escolher a imagem ou o texto, por exemplo – o anúncio já está pronto.

Independentemente do formato que você decida usar, é importante que você pense na apresentação do seu post – afinal, o Facebook é uma plataforma extremamente visual, portanto uma imagem chamativa pode ser a chave para atrair a atenção de um usuário.

Outra estratégia que pode trazer ainda mais engajamento para o seu anúncio é o uso de vídeos. Com cada vez mais pessoas preferindo consumir conteúdo em formato audiovisual na internet, essa pode ser sua melhor brecha para chamar a atenção de quem está navegando pelo site. Se você tem um canal de vídeos, por exemplo, você pode fazer anúncios do seu conteúdo no Facebook usando teasers instigantes.

Por fim, não se esqueça de ser bem específico na hora de sugerir uma ação aos usuários – curtir a página, o post ou baixar um material, por exemplo. Assim você consegue com que mais pessoas sintam-se atraídos pelo o que você anuncia.

Gerenciando seus anúncios

O Facebook Ads te dá acesso a uma página onde você pode gerenciar todos seus anúncios.Nela é possível ter uma visão mais completa do que você tem feito e acompanhar o desempenho de cada campanha, conjunto de anúncio e anúncio.

Se você estiver fazendo uso da ferramenta do Power Editor, é possível, ainda, criar relatórios personalizados sobre a performance da sua estratégia de anúncios – assim, você consegue estudar os resultados de cada campanha mais de perto e com mais detalhes.

Dica extra: use pixel de conversão

Já imaginou poder saber se os usuários estão realmente se interessando pelo seu conteúdo e se direcionando para suas páginas fora do Facebook? – com o Facebook Ads você consegue!

O chamado pixel de conversão gera um código para acompanhar a eficiência de seus impulsionamentos. Isso quer dizer que, caso seus anúncios levem o usuário a um blog ou canal de vídeos, por exemplo, você consegue mensurar, de uma forma mais fácil e simples, se seu público está acessando essas páginas.

Outra funcionalidade do uso do pixel de conversão é conseguir uma estratégia mais consolidada na hora de segmentar o público de seus anúncios. Isso é possível, pois esse feature te permite rastrear os visitantes que estiveram em determinadas páginas do seu negócio.


Se aventurar pelo mundo dos anúncios online é se aventurar por um mundo de testes – você só vai conseguir saber qual estratégia funciona melhor para o seu negócio se testar e mensurar cada uma delas.

Por isso, não tenha medo de experimentar todas as funcionalidades que o Facebook Ads te oferece: com tempo e experiência você vai criar anúncios cada vez melhores e mais efetivos! 😉

E agora que você já sabe a importância que um vídeo pode ter para a sua estratégia de anúncios, que tal aprender mais sobre quais as melhores formas de divulgá-los? A gente montou um infográfico especial sobre isso para te ajudar! É só clicar na imagem para baixá-lo gratuitamente! 🙂

como divulgar seus vídeos no facebook ads

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 24, 2017

Editor de imagem: 8 opções gratuitas para criar imagens incríveis para o seu negócio

O visual é um aspecto fundamental para qualquer negócio: seja para um blog, um canal de vídeos ou uma marca, a escolha de imagens e fontes faz toda a diferença. A melhor parte disso é que, hoje, você não precisa ir longe para conseguir imagens atrativas para o seu negócio – com o advento do Photoshop, o editor de imagens mais popular, muitos programas foram surgindo com o propósito de tornar esse processo simples e prático.

Se você já parou para pesquisar preços de softwares, deve ter visto que programas como o Adobe Photoshop, Illustrator e outros queridinhos são caros, ainda que permitam um teste grátis por 30 dias. Claro, um programa profissional como esses pode ser valioso a longo prazo e é insubstituível para designers afora. Mesmo assim, em muitos casos, você pode encontrar opções gratuitas com os recursos que você precisa.

Se você estiver procurando pela câmera certa, confira nosso guia para escolher a câmera ideal:

cameras para fazer video e montar um home studio

Já tem sua câmera? Então vamos à edição: listamos os 8 melhores editores para que você edite suas imagens sem gastar dinheiro. Vamos lá?

Editor de imagens para download

Quer editar suas imagens sem precisar de internet, de onde estiver? Essas são as nossas sugestões:

Gimp – disponível em português

Gimp editor de imagens

Gimp é a opção mais profissional que você poderá encontrar gratuitamente. Além das ferramentas já encontradas – como pincéis, filtros, etc -, também é possível instalar plugins oferecidos pela comunidade que utiliza o editor. E mais: muitos usuários do Gimp argumentam que o programa não perde muito para o Photoshop. Para quem já teve experiência com o software da Adobe, a interface será familiar e facilmente explorada.

O Gimp é um projeto aberto, ou seja, permite contribuições de desenvolvedores e usuários ao redor do mundo. Assim, você conta com possibilidades infinitas. 🙂

Photoscape – disponível em português

photoscape editor de imagens

O Photoscape é um editor relativamente fácil, ideal para quem não tem experiência com softwares de edição. Ele permite que você faça colagens, mexa com gifs animados, possibilita a conversão de fotos em formato RAW e tem uma série de outras ferramentas.

Apesar de ser simples, o Photoscape tem grande parte dos recursos que você precisa para criar imagens incríveis – então não tenha medo de usá-lo.

Chamamos atenção apenas para a interface: o layout do Photoscape pode parecer um pouco confuso para quem está acostumado com a experiência de editores tradicionais. Ainda assim, as ferramentas são bastante autoexplicativas, então você não deve encontrar muita dificuldade.

Paint.NET

paint.net editor de imagens

O Paint.NET é menos conhecido, mas também pode ser um editor bastante útil. Entre suas ferramentas, estão os ajustes de imagem (cor, saturação, curvas, etc), efeitos como desfoque e nitidez, editor de texto e ferramenta Gradiente.

Uma boa característica do Paint.NET é a possibilidade de baixar extensões, acrescentando recursos que você gostaria, mas a versão básica não possui. Além disso, o programa cria uma lista das mudanças que você fez, caso queira desfazer suas últimas alterações.

Polarr

polarr editor de imagens

O Polarr é uma boa opção para quem precisa de um editor de imagens simples, que ocupe pouco espaço. Ele permite que você corte, aplique filtros e ajuste cor, luz, saturação, entre outros aspectos das suas imagens. É bem básico e reduzido à edição de imagens simples – sem acréscimo de texto, por exemplo – mas pode auxiliar bastante.

Também há a versão paga, que permite a criação de filtros próprios, marcas d’água, entre outros.

Coleção Nik – disponível em português

coleção nik editor de imagens

A Coleção Nik é uma ferramenta da Google, com uma série de plugins. Com a Coleção, você tem recursos extremamente valiosos para editar suas imagens de forma profissional – filtros, efeitos vintage, edição em preto-e-branco, edição de claridade, etc. Você pode baixar todos de uma vez ou apenas o plugin que considerar mais necessário para você no momento.

Aparentemente, a Google não irá fazer novas atualizações ao programa por enquanto, o que fez com que a ferramenta se tornasse gratuita. Portanto, aproveite!

Editor de imagens online

Se você não está sempre com o mesmo computador e quer fazer essa edição online, confira nossa lista de editores web:

Pixlr – disponível em português

pixlr editor de imagens

O Pixlr é um editor de imagens de qualidade, um dos melhores disponíveis online.

A interface é bastante similar à do Photoshop, permitindo que você trabalhe com camadas, ferramentas como Pincel, Borracha, Texto e outros recursos úteis. Apesar disso, é mais simples e prático que o programa da Adobe. Uma outra característica bacana é que o Pixlr sugere links para download de fontes gratuitas na parte “Fontes”, para que você não se restrinja às opções do seu computador.

Para utilizá-lo em português, é só clicar em “Language” na barra superior e selecionar “Português do Brasil” 😉

Obs: o Pixlr ainda não funciona com HTML5, então você precisa ter o Flash instalado para usá-lo.

Canva – disponível em português

canva editor de imagens

O Canva é um pouco diferente das ferramentas tradicionais, tendendo mais para um app intuitivo que para um software de edição propriamente dito. É voltado para um design prático e bonito; com ele, você pode criar layouts a partir de modelos que ele já te sugere, de acordo com o seu intuito.

Quer criar uma imagem para blog, um post para Facebook ou uma apresentação? O Canva já te fornece sugestões, o tamanho ideal e você pode escolher um modelo ou criar livremente.

Suas criações ficam salvas na sua conta – que você pode registrar ou só se conectar com seu Facebook. Fácil, não?

 Sumopaint

Sumopaint editor

O Sumopaint está disponível tanto para download quanto online e é de fácil utilização. Possui recursos bastante versáteis, muito baseados no próprio Photoshop. Assim, caso você queira editar com um programa mais leve mas não queira perder muitos dos recursos do software da Adobe, o Sumopaint pode ser uma boa opção.

Obs: o Sumopaint também precisa do Flash para funcionar.


Como você pode ver, não é preciso investir em um software profissional para criar visuais incríveis.

Mas o que ajuda a criar uma imagem incrível não é só a edição, mas também o dispositivo usado para capturá-la.

Como falamos no início do artigo, há uma câmera ideal para cada caso; mas caso você queira gastar menos, você pode conferir nosso guia com os melhores smartphones para filmar e fotografar! 🙂

guia melhores smartphones para filmar e fotografar

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 22, 2017

12 lições que aprendi com a faculdade (até agora)

É muito comum ouvir dos nossos pais e amigos que a faculdade é a melhor época da vida, afinal lá você conhece muita gente, vai nas festas mais incríveis e vive experiências únicas, que se transformarão em histórias para o futuro, certo? Mais ou menos. A faculdade pode realmente ser uma época maravilhosa se, e somente se, você souber tirar o máximo desses anos.

Desde muito nova eu já sabia o que queria fazer da minha vida (hoje, faço publicidade e sou enlouquecida pelo curso e por tudo que tange essa área), então absorver tudo que a faculdade me oferece sempre foi algo relativamente fácil. Apesar disso, é claro que existem momentos de confusão, indecisão e medo do futuro: Onde eu quero chegar? Como eu chego lá? Será que tudo vai dar certo? Esses momentos, apesar de serem bem aflitivos, me ajudaram a me conhecer melhor e valorizar tudo que vivi até hoje.

Apesar de ainda estar na faculdade, já aprendi muita coisa e consegui entender um pouco mais do que posso fazer nessa carreira e quais são os caminhos que devo seguir para chegar lá. Pensando nisso, decidi escrever e compartilhar esse texto com as 12 principais lições que aprendi na faculdade, para que eu possa ajudar pessoas que estão passando pelo que eu passei. 🙂

12 lições que aprendi na faculdade

1. 4 (ou 5) anos passam voando

Pensando racionalmente, 4 ou 5 anos é um período de tempo consideravelmente grande e que demora a passar. Mas quando você está na faculdade, esse tempo passa num piscar de olhos! Me lembro do meu primeiro dia de aula como se fosse ontem e hoje já estou no 5º período.

Por causa dessa velocidade temporal, aprendi a valorizar melhor o meu tempo e todas as aulas que tive. Além de investirmos dinheiro numa graduação, investimos tempo, e não absorver o máximo do ambiente acadêmico é um desperdício destes dois recursos.

2. Fazer o que gosta é fundamental

Para mim, cursar publicidade sempre foi uma certeza, então acordar para ir a aula é um motivo de celebração. Porém, ao contrário dessa minha alegre situação, tenho muitos colegas que não gostam do curso e estão lá só para “terem um diploma”. Mas de que adianta ter um diploma se você não é um bom profissional nem deposita todas as suas energias nas tarefas que desenvolve?

Por isso eu destaco: não é errado trocar de curso. Pelo contrário, é muito respeitável assumir que não fizemos a escolha ideal e começar novamente. Devemos sempre buscar aprender e experimentar coisas que nos atraem. Gastar fosfato em atividades que não nos dão prazer é uma perda de tempo e gera bastante frustração. Nunca é tarde para correr atrás do que gostamos.

Se você quer abrir seu próprio negócio, por exemplo, temos esse material que pode te ajudar a entender por onde começar.

lições que aprendi na faculdade e como abrir minha própria empresa

3. Nem tudo é festa

Realmente, durante o período de faculdade conhecemos várias pessoas e sempre surgem convites para uma festa ou uma ida ao barzinho da esquina. Não me leve à mal – festas são incríveis e geram várias histórias engraçadas para contar – mas é importante saber separar uma coisa da outra.

Festejar, beber e celebrar é preciso, mas fazer isso durante o horário de aula é um desperdício de tempo e dinheiro. Quando vou para a faculdade, sempre gosto de questionar, escutar e extrair o máximo das aulas, de forma que eu saia todo dia de lá sabendo uma coisa nova. Deixo a ida ao barzinho para os horários extraclasse. E pense: se você absorver tudo que pode enquanto está na faculdade, terá mais tempo para sair depois!

4. Professores são amigos SIM

Desde a época da escola mantive um relacionamento bom com meus professores, afinal eles também são pessoas e podem nos ensinar muitas coisas fora da sala de aula. Mas foi na faculdade que percebi que professores podem se tornar amigos e nos ajudar com tudo: seja no ambiente acadêmico, profissional ou pessoal.

Nossos mestres já passaram pelo que nós estamos passando e já estão no mercado de trabalho, então eles conseguem nos dar dicas de carreira, ajudar na definição do caminho que queremos traçar e até mesmo indicar vagas de estágio interessantes.

5. Marketing pessoal existe (e funciona)

Hoje muito se fala de marketing pessoal no mercado de trabalho, mas ele também existe no ambiente acadêmico e, pasmem, funciona MUITO. Entregar trabalhos com excelência, participar das aulas e sempre buscar mais conhecimento são só algumas práticas que melhoram o nosso marketing pessoal.

A faculdade é uma época de experimentação e liberdade criativa, então é fundamental que nos disponhamos a sair da nossa zona de conforto. Antes de começar a fazer publicidade, eu tinha pânico de falar em público e apresentar trabalhos, hoje isso é uma das coisas que mais gosto de fazer.

Trabalhar nos nossos pontos fracos e buscar sempre nos conhecer melhor é uma excelente maneira de trabalhar e fortalecer o nosso marketing pessoal, que é um dos grandes responsáveis pela abertura de portas no mercado de trabalho.

Aqui neste material você também encontra dicas valiosas para liberar suas habilidades criativas. Vale conferir!

6. Sair da zona de conforto é fundamental

O período da faculdade nos dá a chance de experimentar e ter a maior liberdade criativa e intelectual possível, então é muito importante aproveitar essa chance e correr riscos. Cometer erros é uma das partes mais legais do processo de crescimento pessoal e profissional, então não tenha medo e se jogue!

7. Tudo é networking

Networking é um termo muito usado no mercado de trabalho dos dias de hoje, mas dentro da faculdade ele é praticamente ignorado. Quanto mais gente conhecemos, mais bagagem e referências temos. Cada pessoa tem seus pontos fortes, fracos e vivências, então conversar com elas pode abrir nossos olhos para assuntos e temas nunca antes considerados.

Ter uma grande rede de contatos é excelente não só para a bagagem cultural mas também para a profissional, afinal sempre surgem pedidos de indicação para oportunidades de trabalho e quando conhecemos muita gente fica muito mais fácil de indicar e ser indicado.

8. Indicações existem e não são coisas ruins

Sempre ouço pessoas falando: “Ai, como consigo que me indiquem para um estágio? Isso é tão difícil!”, mas é aí que elas se enganam. Receber indicações é um processo que ocorre organicamente se você se esforça e dá o melhor de si sempre. Aprendi que “correr a milha extra” em tudo que faço não dói nada e gera resultados incríveis!

9. Otimização de tempo salva vidas

Na medida que vou avançando no curso, os trabalhos aumentam e o tempo que tenho para fazê-los diminui, então saber como administrar e otimizar as horas do dia é chave para o aumento da produtividade.

Quando passei a organizar meu dia, sabendo quais tarefas devem ser feitas e como fazê-las, minha produtividade aumentou significativamente! Por isso, descubra seu método, seus horários mais produtivos e tente fazer uma agenda, uma tabelinha ou até um bloquinho de atividades.

Nesse artigo aqui você também encontra 10 dicas de ferramentas que vão deixar seu dia mais produtivo.

10. Conteúdo abre portas

Um dos tópicos mais discutidos hoje é o marketing de conteúdo e o impacto que ele tem sobre as pessoas. É possível aproveitar e aplicar esse conceito na nossa vida, afinal se temos um conteúdo interessante para oferecer para as pessoas, sejam elas colegas, amigos, professores ou chefes, mais visibilidade e oportunidades teremos.

Além disso, como já disse no início do texto, com quanto mais pessoas conversamos mais rica fica a nossa bagagem de vida, então investir em criar um conteúdo pessoal valioso é uma ótima ideia!

11. Pensar no futuro é fundamental

Às vezes, quando ouvimos as pessoas falando sobre o futuro, pensamos em algo distante e que demorará para chegar. Porém ele já começa hoje, e quanto mais rápido pensarmos no que queremos fazer daqui a alguns anos, mais fácil será de traçar metas para atingir esses objetivos.

12. Para ser melhor, fique perto dos melhores

Parece clichê, mas quando estamos rodeados por pessoas boas e competentes, nós nos tornamos melhores e somos incentivados a crescer cada vez mais.

Sempre busco estar perto daqueles que trabalham bem, buscam sempre crescer, inovar e entregar o melhor trabalho possível, porque assim recebo uma motivação extra para me tornar a melhor versão de mim mesma.


Como disse no começo do texto, essas são só algumas das lições que aprendi na faculdade. Aqui na Samba, com desafios diários, aprendi muitas outras coisas. E quem sabe esse não é um bom assunto para o próximo post?

Gostou desse artigo ou aprendeu alguma outra coisa bacana durante a faculdade? Me conte nos comentários!

beatriz da samba tech fala sobre as lições que aprendeu com a faculdade - lições que aprendi na faculdade

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 17, 2017

Saiba como apresentar os resultados dos investimentos em marketing digital

Há algumas décadas, uma ótima estratégia de marketing e de publicidade seria investir em alguns outdoors, mídia impressa e, caso houvesse verba suficiente, na TV. Essas, sem dúvida alguma, eram as melhores opções existentes. Mas vamos parar por aqui, porque já está parecendo um episódio de Mad Men.

Os anos passaram, as coisas mudaram e o que é que o marketing digital tem de diferente do que era feito há algum tempo? Mensuração de resultados — calcular os resultados dos investimentos em marketing digital por meio de métricas! Um planejamento bem estruturado pode garantir que você saiba, antes mesmo de investir, o quanto deverá gastar para alcançar o objetivo desejado.

Quais são as principais formas de apresentar esses resultados? Conheça cada um dos pontos que explicaremos para fazer bonito na hora de mostrar para o chefe!

Compreenda as métricas

Antes mesmo de entrarmos em detalhes de quais são as ferramentas que você utilizará para criar os relatórios, você precisa conhecer as métricas utilizadas para a mensuração destes:

  • ROI:

Significa Return on Investiment ou Retorno Sobre Investimento. Em um resumo básico, ele é uma medida utilizada para calcular a eficiência, rentabilidade e viabilidade de investimentos.

  • CAC:

O Custo de Aquisição de Clientes é a métrica responsável por mensurar os resultados de investimentos dos times de marketing e vendas juntos. O cálculo se baseia no quanto foi investido por ambos para conhecer onde é que cada centavo foi gasto em uma campanha.

  • CVL:

Manter ou conquistar novos clientes demanda investimento. O Lifetime Value é uma métrica utilizada para calcular o valor de cada consumidor baseado em seu tempo de relacionamento com a marca. Ela permite que seja calculado quanto é necessário investir para conquistar novos clientes.

Ferramentas que podem ser utilizadas

  • Google Analytics:

o serviço gratuito oferecido pelo mecanismo de busca garante que você tenha acesso a estatísticas de um site, número de acessos, tempo de permanência e disponibiliza esses dados em relatórios mensais;

  • SEMrush:

Para descobrir quais são as palavras-chaves mais pesquisadas em seu site, sua colocação na busca orgânica para cada uma delas, volume de busca de termos patrocinados e custo por clique de palavras-chave;

  • Facebook Insights:

Além de possuir uma das melhores plataformas para anúncios online, a rede social também oferece uma ferramenta própria para a mensuração de resultados. A plataforma é semelhante ao Google Analytics e garante a você informações como usuários ativos, segmentação correta, horário de interação e demográfico de visitantes;

  • Youtube Insight:

Se você está rodando uma campanha de vídeos no YouTube, o próprio site fornece uma ferramenta ampla com diversidade que são essenciais para avaliar esforços de marketing na “rede social”;

  • Statisgram:

A primeira ferramenta criada para mensurar resultados no Instagram continua sendo uma das melhores. Colete o volume de likes, comentários, fotos com maior desempenho e horário em que usuários estão mais engajados.

Independente de qual seja o objetivo de sua campanha (e-mail marketing, blogs, site, vídeos ou redes sociais), você encontrará uma ferramenta específica para auxiliar na melhor disposição dos dados coletados. Preparamos apenas uma pequena lista, mas certamente existem uma infinidade de outros programas que podem te ajudar a mensurar os dados da sua empresa e a apresentá-los de forma coerente.


Para conseguir mostrar os resultados das campanhas de marketing digital, você deverá, antes de tudo, elaborar uma boa apresentação que contenha as métricas que citamos no início do post (elas serão as responsáveis por mensurar a viabilidade do investimento); e na sequência, utilizar os relatórios que cada ferramenta lhe dará. Vale lembrar que, para apresentar resultados surpreendentes, você deverá ter também um planejamento espetacular.

Restou alguma dúvida sobre o assunto ou gostaria de dar uma sugestão? Deixe o seu comentário abaixo!

resultados dos investimentos em marketing digital


Artigo produzido pela equipe da Ingage Digital.

Somando mais de 10 anos de experiências multidisciplinares no ambiente digital, trabalhamos para gerar os melhores resultados para nossos clientes e posicionamos como referência em atendimento e desenvolvimento de estratégias online.

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 16, 2017

20 erros de português que você deve evitar nos seus vídeos

Artigo “20 erros de português” produzido pela equipe da Comunidade Rock Content.

Quem é youtuber, possui um vlog, ou simplesmente gosta de divulgar sua rotina e trabalho em forma de vídeos online, sabe o quanto a desenvoltura em frente às câmeras é importante para realizar uma boa gravação.

No entanto, nem todos conseguem se expressar bem nessa hora. A voz do locutor geralmente é um dos principais elementos do vídeo, e os erros de português são capazes de minar a qualidade de seus resultados, além de prejudicar sua credibilidade como formador de opinião.

Para ser levado a sério e gravar ótimos materiais, confira quais são os erros de português falados mais praticados no mundo online e fique atento para não cometê-los no seu próximo vídeo!

20 erros de português que você deve evitar em seus vídeos

1. Em vez de / Ao invés de

É importante lembrar que as duas expressões têm sentidos diferentes. ”Em vez de” é usado para expressar substituição (exemplo: ‘em vez de ficar em casa, vamos comer comida chinesa’), enquanto ”ao invés de” é usado para passar uma ideia de oposição (exemplo: ‘subi as escadas ao invés de descer’).

2. Mim fazer / Eu fazer

Um dos erros de português mais comuns consiste em usar o ”mim” para praticar ações (exemplo: ‘tinha muita coisa para mim fazer quando cheguei em casa’). Lembre-se que ”mim” não conjuga verbos. O certo é ”para eu fazer”.

3. Vou estar mostrando / Vou mostrar

Na língua portuguesa falada, o uso incorreto do gerúndio nunca foi uma novidade. Por isso, quebre essa tradição e nunca diga ”vou estar apresentando”, ou ”vou estar mostrando” na introdução do seu vídeo, pois essas expressões passam a ideia de continuidade.

Se você está se referindo a uma ação futura, fica muito mais fácil dizer ”vou mostrar” e ”vou apresentar”, não é mesmo?

Aqui neste artigo você encontra dicas valiosas para fazer sua introdução de vídeo sem ter de apelar para essas expressões.

4. Entre eu e você / Entre mim e você

Enquanto a utilização do ”mim” fica proibida logo antes do verbo infinitivo, seu uso depois de preposições está liberado. Logo, é incorreto dizer ”entre eu e você”. Prefira ”entre mim e você”, ou ”entre mim e ela/ele”.

5. Meia / Meio

Como advérbio,  a palavra ”meio” tem o mesmo significado de ”um pouco”. Portanto, é incorreto dizer frases como: ”ela estava meia cansada hoje” ou ”ela é meia distraída”.

Por isso, sempre que quiser vincular essa palavra a um adjetivo para demonstrar intensidade, lembre-se que o ”meio” não varia. Sendo assim, é correto dizer: ”meio cansada”, ”meio distraída”, ”meio confusa”, e por aí vai.

6. Faz / Fazem

Ao se referir ao passado, muita gente gosta de dizer que ”fazem dois anos que cheguei nessa cidade” ou ”fazem quatro meses que trabalho aqui”. Estas colocações não são corretas.

Sempre que estamos nos referindo ao tempo decorrido, é preciso lembrar de que o verbo ”fazer” é impessoal. Isso significa que só será usado no singular: ”faz dois anos que moro nessa casa” ou ”faz um mês que me mudei”.

Apenas nos outros sentidos, é considerado correto concordar o verbo com o sujeito (exemplo: ‘elas fizeram nosso almoço’).

7. Havia / Haviam

O equívoco comum é usar o ”haver” no plural quando esse verbo é usado para expressar o sentido de existência ou ocorrência (exemplo: ‘haviam muitas pessoas estranhas em minha casa’).

É importante lembrar que, nesses casos, o verbo é impessoal (sendo assim, a forma correta do exemplo seria: ‘havia muitas pessoas estranhas em minha casa’).

Por outro lado, esse verbo pode ser usado no plural quando utilizado como auxiliar, complementando algum verbo (exemplo: ‘eles haviam chegado antes de mim’).

8. Aonde / Onde

Tome cuidado para não fazer nenhuma confusão gramatical. A palavra ”aonde” é usada em orações que incluem movimento, como: ”aonde você vai me levar agora?” (quem leva, se desloca para algum lugar).

O ”onde”, por outro lado, é usado para o restante das situações que não incluem movimento (exemplo: ‘não sei onde ela mora’).

Pode-se dizer, resumidamente, que ”aonde” se refere ao local que alguém (ou algo) vai enquanto ”onde” indica o lugar onde alguém (ou alguma coisa) está.

9. Há muitos anos atrás / Há muitos anos

Já parou para pensar que dizer “há muitos anos atrás” soa redundante? Afinal, as expressões “há muitos anos” e “muitos anos atrás” possuem o mesmo significado.

Portanto, se você quer falar algo na sua gravação como “há duas semanas atrás, eu fiz um vídeo sobre esse assunto”, escolha qual modelo você quer priorizar. Você pode dizer “há duas semanas, eu fiz um vídeo sobre esse assunto” ou “duas semanas atrás, eu fiz um vídeo sobre esse assunto”, mas não deve incluir as duas palavras (‘há’ e ‘atrás’) juntas.

10. Um dó / Uma dó

Apesar de não ser nada incomum ouvir frases como ”tenho muita dó de gente assim” ou ”não tenho nenhuma dó dessa pessoa”, esse é um dos erros de português mais praticados na linguagem falada, já que ”dó” é um substantivo masculino.

Por isso, o certo é dizer e escrever: ”muito dó”, ”nenhum dó”, ”algum dó”, ”nenhum dó”, etc.

Você usa o YouTube para hospedar seus vídeos? Veja como não restringir sua estratégia e fazer mais sucesso com seu conteúdo:

11. A meu ver / Ao meu ver

Se quiser fazer um vídeo para expressar sua opinião pessoal, lembre-se de sempre começar sua colocação com ”a meu ver”. O motivo é simples: ”ao meu ver” não existe na língua portuguesa.

12. Por meio / Através

A palavra ”através” expressa o sentido literal de ”atravessar”. Por isso, evite dizer que ficou sabendo de uma novidade através do Facebook, ou que é possível mudar a realidade através da política, por exemplo. Utilize a expressão ”por meio” nesses tipos de colocações para transmitir a ideia de intermediação.

13. Obrigado / Obrigada

Logo no final da gravação, você provavelmente vai querer agradecer sua audiência. Para fazer isso, você dirá ”obrigado” se for do sexo masculino ou “obrigada” se for do sexo feminino.

Por mais que pareça estranho ou incomum para os ouvidos, a flexão no plural dessas palavras também existe. Você pode dizer ”muito obrigados” ou ”muito obrigadas” ao final do vídeo se ele foi apresentado por mais de uma pessoa.

14. Meio-dia (meia-noite) e meio / Meio-dia (meia-noite) e meia

A palavra ”meio” nesse caso deve concordar em gênero com o termo a que se refere ( ou seja: a palavra ‘hora’). Portanto, dizer ”meia noite e meio” ou ”meio dia e meio” está errado. O certo é ”meio-dia e meia” ou ”meia-noite” e meia.

15. Mas / Mais

Usamos ”mais” para falar da ideia de adição ou soma (exemplo: ‘preciso de mais dinheiro para pagar o aluguel’), e o ”mas” para falar de uma oposição ou compensação (exemplo: ‘consegui o dinheiro, mas ele foi roubado’). Não confunda as duas palavras.

16. Namorar com alguém / Namorar alguém

Quem nunca ouviu um pedido de ”quer namorar comigo?” em vez de ”você quer me namorar?”. Por mais que não seja tão comum assim de se ouvir, a segunda pergunta é a correta. A regência do verbo ”namorar” dispensa preposições, por isso evite dizer que uma pessoa namora com outra.

17. Suar / Soar

Essa explicação é simples e rápida: quem ”sua” é provavelmente uma pessoa com calor. Quem ”soa” é a pessoa ou objeto que produz som ou eco, como sinos, relógios, etc. Portanto, é errado dizer que alguém ”soa muito em dias quentes” ou está ”soada”.

18. Perda / Perca

Pelo bem da língua portuguesa, nunca use a palavra ”perca” como se fosse substantivo (exemplo: ‘essa perca de direitos foi ruim para o trabalhador’). O certo é optar pelo ”perda” nesse tipo de situação, enquanto ”perca” deve ser tratado como verbo imperativo (exemplo: ‘não perca o dinheiro que te dei’).

19. Prefiro isso do que aquilo / Prefiro isso a aquilo

Ao manifestar preferências, geralmente escolhe-se alguma coisa em detrimento de outra, certo? Nesse caso, é equivocado o uso de ”do que”. O correto então seria: ”prefiro falar a digitar” em vez de ”prefiro falar do que digitar”, por exemplo.

Não caia em armadilhas e lembre-se que esse tipo de regência fica restrito ao verbo ”preferir”. Para expressar gostos, por exemplo, é perfeitamente possível e correto dizer que você gosta mais de uma coisa do que de outra.

20. Responder ao / Responder o

Muitos vloggers gostam de interagir com o público de seu canal respondendo perguntas dos internautas. Nesse tipo de situação, por mais que a expressão ”responder o comentário” possa parecer mais comum aos seus ouvidos (já que se trata de um vício de linguagem), lembre-se de dizer que você vai ”responder ao comentário” de alguém.

Isso acontece porque a regência do verbo “responder” nesse sentido deve ser indireta, com a necessidade de preposição. A mesma regra vale para o verbo ”assistir”. Dessa forma, o correto é dizer que alguém assistiu ao seu vídeo.

Ufa! Com tantos erros possíveis de se cometer no seu vídeo é até comum se esquecer de alguns. Uma dica para não errar no português é montar o roteiro do seu vídeo por escrito de forma bem organizada, e depois analisar o seu texto com o auxílio de um bom revisor gramatical.

Agora que você já sabe tudo sobre erros de português, que tal continuar por dentro do assunto e assinar a newsletter da Comunidade Rock Content? É só informar o seu e-mail para receber novidades exclusivas sempre algo interessante aparecer no blog!

E se você ainda não tem um canal de vídeos, baixe também o material abaixo e descubra como criar o seu em poucos passos:


Artigo produzido pela equipe da Comunidade Rock Content.

O blog da Comunidade Rock Content é o principal canal de Produção de Conteúdo digital no Brasil. São conteúdos para te ajudar a entender mais sobre os conceitos de Marketing de Conteúdo, Copywriting, técnicas de escrita, dicas de revisão, pesquisas para produção de conteúdo e muito mais.

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em maio 15, 2017

Como fazer uma thumbnail atrativa para seus vídeos

Você sabe o que é uma thumbnail?

Se sim, já deve imaginar a importância delas para atrair mais visualizações em seus vídeos. E caso não saiba, está na hora de saber: para um produtor de vídeos, miniaturas (thumbnails) personalizadas podem fazer toda a diferença.

Quer saber tudo sobre como fazer uma thumbnail e otimizar seu canal? Estamos aqui para te ajudar!

Vamos lá?

O que é uma thumbnail?

Uma thumbnail é uma miniatura de uma imagem, que pode ser utilizada para diversos fins – no caso de produção de vídeos, é aquela “capa” do vídeo que será exibida em listas de reprodução, em redes sociais e no Google.

A palavra “thumbnail” vem do inglês e significa unha do polegar (“thumb”: polegar; “nail”: unha). Esse nome é usado devido ao pequeno tamanho da thumbnail, que era inicialmente de 80 x 200 pixels.

Por que uma boa thumbnail é importante?

Uma boa thumbnail destaca seus vídeos dos outros, criando mais uma oportunidade para que o público se interesse pelo seu conteúdo.

Ela reforça a sua identidade, chamando atenção para o seu vídeo – além do título, a miniatura é a forma que você irá apresentar o seu conteúdo e atrair a pessoa a assisti-lo. Ela é decisiva pra aumentar a taxa de cliques nos vídeos e gerar mais engajamento.

Assim, é importante que sua thumbnail seja sincera quanto ao conteúdo, apresentando o tema mas criando certo suspense para que a pessoa se sinta convencida a assistir o vídeo completo. Uma thumbnail que promete um vídeo que não condiz com o conteúdo verdadeiro só irá enganar seu público – e não é o que você quer, certo?

Para que você entenda a importância das thumbnails, separamos alguns exemplos:

Thumbnails Lady Night

No caso desse print, por exemplo: ao pesquisar “Lady Night Multishow”, buscando vídeos do programa Lady Night, é fácil identificar quais são os vídeos oficiais da Multishow e o vídeo postado por outra pessoa (no caso, o canal DIRECTV RS). A miniatura já apresenta, também, o assunto do vídeo – de forma bastante legível e que chama a atenção de quem vê.

Thumbnail clipes Anitta

As miniaturas também são muito usadas para videoclipes, como é no caso do canal da Anitta. As thumbnails dos clipes oficiais mostram a cantora e o nome da música, ou seja, as duas informações que mais importam com relação ao vídeo. Além disso, já mostram como será o clipe em termos de estética, roupas, etc.

Vamos supor que você já tenha visto o clipe mas não se lembre o nome da música: a miniatura já pode te ajudar.

Thumbnail RezendeEvil

Agora, nos vídeos do canal RezendeEvil, a imagem já apresenta o que acontecerá, de modo a criar um suspense. A seta e o recurso textual auxiliam nessa compreensão. Além disso, a utilização do meme troll é extremamente importante nesse sentido: o público desse canal é majoritariamente infantil e pré-adolescente, ou seja, muito familiarizado com esse tipo de meme. Essa capa, portanto, não precisa do nome do vídeo para ser compreensível e atraente.

Já tem miniaturas atrativas e está atraindo audiência? Confira nosso guia como converter audiência em clientes!

Guia como converter viewers em clientes

Como fazer a sua thumbnail

Hoje, as thumbnails não precisam ter um tamanho pequeno, pois a maioria das plataformas de hospedagem diminui o tamanho de acordo com o local de exibição do vídeo.

Portanto, recomendamos o tamanho de 1280×720 pixels para a sua thumbnail, para que você garanta o máximo de resolução independentemente do tamanho. Caso queira fazer uma imagem um pouco menor, procure manter dentro da proporção 16:9.

Dicas:

1. Tenha certeza que sua thumbnail é sincera quanto ao conteúdo do vídeo.

Não adianta criar uma imagem mega atraente se ela não condiz com o material que você oferece, né?

2. Combine a thumbnail com o título do vídeo.

O título e a miniatura devem seguir o mesmo sentido, para que tenham coesão e não deixem seu espectador sem compreender.

3. Ao gravar, pense em tomadas bacanas que possam render boas miniaturas.

Isso facilita o processo de escolha de imagem, além de garantir que sejam mais atraentes.

4. Pesquise as miniaturas da concorrência e veja como se destacar.

Para o público geral, a miniatura é o que diferencia seu conteúdo do de concorrentes ou produtores similares, antes que assistam seu vídeo. Veja como fugir do padrão de quem compete com você e encontre sua forma de se destacar.

5. Crie uma thumbnail diferente para cada vídeo…

Além do texto na miniatura, pense na primeira impressão visual do seu público: antes de ler o que está escrito, ele identifica cores e imagens. Você precisa passar duas ideias um pouco opostas: primeiro, de que aquele vídeo é do seu canal; segundo, de que aquele vídeo se distingue dos outros. Portanto, procure variar as imagens de fundo ou cores, para que o público entenda essa diferença.

6. …mas mantenha sua identidade visual.

Essa é a parte que distingue seu conteúdo de outros. Lembra que mencionamos a importância de uma identidade para se destacar? Esse visual guiará toda a criação de banners, thumbnails e outras imagens relacionadas ao seu canal. Caso você já tenha uma logo estabelecida para a sua marca, você já terá por onde se guiar. Procure reaproveitar as cores, a fonte (ou o estilo de fonte) e todos os aspectos que você acha que podem remeter ao seu negócio.

Caso não saiba exatamente as cores usadas na sua marca, não se preocupe: ensinaremos mais à frente como descobrir 🙂

Imagem

Originalmente, as thumbnails eram apenas uma captura de um momento interessante no vídeo, que pudesse chamar atenção para o conteúdo inteiro.

Apesar da possibilidade de personalizar mais o conteúdo da capa dos seus vídeos, ainda pode ser interessante utilizar um “print” de um trecho do vídeo como imagem de fundo na sua thumbnail. Se seu canal e conteúdo forem mais descontraídos, fique à vontade para utilizar um print cômico do seu vídeo – como uma imagem não entrega tanto do conteúdo, você pode apresentar de cara o auge do seu vídeo. Pense no que será atrativo para o seu público, especificamente.

Thumbnail Rezende2

Um bom exemplo, ainda do canal RezendeEvil, é o vídeo “Chiclete gigante com gás hélio e ele voou”. Pense assim: se a capa do vídeo fosse um chiclete comum, você poderia duvidar do feito do youtuber, ou apenas não se sentir interessado. No entanto, a foto já apresenta o resultado – o chiclete cheio e flutuante -, o que já te atrai para o vídeo.

Você também pode editar e combinar algumas imagens. O Jubilut, por exemplo, combina uma imagem relacionada ao tema com uma captura de seu vídeo, em que ele explicará sobre o assunto.

Thumbnail Jubilut

Como você pode ver, essa parte é livre e depende do tema, público e outros aspectos do seu canal. Procure encontrar o tipo de capa que você mais gosta e seguir essa linha para os outros vídeos! 🙂

Texto: cores, fonte e tema

Definiu a imagem de fundo? Vamos à parte textual!

A primeira dica importante é de sempre se lembrar que a imagem é uma miniatura, ou seja, quanto menos informação a ser lida, melhor. Tente sintetizar o tema em uma palavra ou duas. Voltando ao exemplo do Jubilut, ele utiliza essa tática de forma bem simples e didática: no vídeo em que ele explica sobre a membrana plasmática das células, o texto na imagem diz “Membrana Plasmática”.

Quanto à fonte, procure seguir a identidade que você já possui, mas não precisa se ater fielmente à fonte da sua logo, por exemplo. Evite letras cursivas e mais decoradas, porque é fundamental que o texto da thumbnail seja de fácil leitura.

Procure utilizar a mesma fonte em todas as thumbnails para reforçar a identidade.

Quanto às cores, você pode seguir as já utilizadas na sua marca ou procurar outras que combinem, caso queira variar. Alguns produtores utilizam a mesma cor em todas as capas; outros variam entre duas ou três. Essa também é uma escolha livre.

Busque por cores contrastantes (entre fundo e texto) e chamativas. Não adianta acrescentar texto à sua thumbnail se ele não for legível e não chamar a atenção, certo?

Você também pode utilizar de recursos como a fonte em negrito, com contorno ou sombra para que o texto se destaque da imagem de fundo.

Para a escolha de cores, sugerimos duas ferramentas:

Para encontrar determinada cor

Color-Thumbnail

Get Colors From Image: assim como o Conta-Gotas no Photoshop e Illustrator, esse site permite que você envie uma imagem, clique em “Show Image” e selecione qual cor você deseja descobrir. Assim, ao selecionar, o código aparecerá embaixo. Esse código hexadecimal simboliza a cor que você procura.

Para encontrar cores que combinam

adobe color

Adobe Color: aqui você pode encontrar combinações de cores! É só selecionar uma cor principal (ou inserir o código hexadecimal dela, no campo HEX) e escolher o tipo de combinação que você quer (Análoga, Monocromática, Tríade, Complementar, Composta, Sombras, Personalizada). Assim, você consegue o código de outras cores para utilizar em seus textos 🙂

Uma vez definidos o texto, a cor e a fonte, dê zoom in e zoom out na sua imagem: o texto continua legível em todos os tamanhos? Se sim, sua miniatura tem grandes chances de cumprir seu propósito – resta apenas garantir que seja atraente.

Onde editar sua thumbnail

Claro, para criar a sua própria thumbnail, você irá precisar de um programa de edição, certo? Separamos algumas opções para você, de acordo com dificuldade e personalização:

Adobe Photoshop: queridinho da edição de imagens, o Photoshop é mais difícil de mexer para quem não está familiarizado – mas é um software útil para criar vários tipos de imagens, além de ter inúmeros recursos. Você pode baixar um trial de 30 dias grátis no site da Adobe para testar o programa 🙂

Canva: essa é uma plataforma extremamente útil para criar peças gráficas de vários tipos. Para miniaturas, já há alguns templates disponíveis gratuitamente, a partir dos quais você pode alterar o texto, a imagem de fundo, dentre outros. É bastante simples, permite personalização e você pode pagar por um template mais bonito, caso vá usar bastante.

Fotor: outro editor online, com alguns recursos gratuitos e outros pagos. Também é simples de mexer e permite que você crie sua thumbnail de forma fácil e prática.

Como definir sua thumbnail no YouTube

Para definir sua thumbnail em seu vídeo no YouTube, o processo é bem simples. É importante ressaltar que, para alterar sua miniatura, você precisa ter a conta confirmada.

Primeiro, tenha certeza que sua imagem está dentro dos pré-requisitos: salva em formato .JPG, .PNG, .BMP ou .GIF; tenha menos de 2 MB; e dentro das Diretrizes da Comunidade do YouTube.

Agora, basta acessar seus vídeos e clicar no ícone de edição. Haverá a opção “Editar miniatura” e depois é só selecionar “Miniatura personalizada”. Assim, você pode enviar a sua thumbnail conforme você mesmo editou.

Você pode trocar as thumbnails dos seus vídeos quando quiser! Se sentir que não estão atraentes ou legíveis, é só refazer e alterar no seu canal. 🙂

Conclusão

Agora que você já sabe como fazer sua thumbnail, você pode diferenciar seu conteúdo dos outros em plataformas como o YouTube e chamar atenção para seus vídeos.

Assim, você pode começar a utilizar o YouTube como ferramenta de atração. Mas para não se perder entre a concorrência, por que não oferecer seus conteúdos mais exclusivos para além da plataforma gratuita?

Aqui na Samba, acreditamos que se você tem um conteúdo de qualidade, você merece ganhar dinheiro com ele.

Com o Samba Play, você pode fazer do seu conteúdo uma fonte de renda, de forma bem mais rápida e lucrativa. E não precisa abandonar o YouTube: atraia seu público pelo canal de acesso gratuito, com títulos e thumbnails muito atrativas, e fidelize seu público por meio de um canal por assinatura.

Quer entender melhor como ganhar dinheiro com seus vídeos? Baixe nosso guia completo:

Contribua com este post nos comentários

Assine e receba todas as novidades sobre vídeos online em seu email.