MIT G-Lab 2018: Conheça a equipe e veja como eles ajudaram a Samba

Você já ouviu falar no MIT? O Massachusetts Institute of Technology é considerado como uma das 5 melhores universidades dos Estados Unidos, conhecida mundialmente pela sua produção acadêmica científica e focada em tecnologia. E sabe o que a Samba Tech tem a ver com isso?

Desde 2008 a Samba é uma das empresas integrantes do MIT G-LAB, um programa global da universidade, focado em empreendedorismo, que promove o intercâmbio entre alunos de MBA do MIT e startups e outras empresas em expansão ao redor do mundo. Todos os anos recebemos um grupo de estudantes dessa universidade que nos auxiliam com algum dos projetos da nossa empresa.

Em janeiro de 2018 recebemos Cristina Sanders, Adam Milner, Nirali Savla e Jeffrey Chao!

MIT e o programa G-Lab

Localizado em Boston, a universidade Massachusetts Institute of Technology é referência em tecnologia e inovação no mundo inteiro. Como descrita pela própria universidade em seu site oficial, “Em sua fundação em 1861, MIT foi uma inovação educacional, uma comunidade de solucionadores de problemas pró-ativos, apaixonados por ciência e focados em transformar o mundo em um lugar melhor. Hoje, esse espírito ainda guia como educamos cada estudante e como moldamos novas tecnologias educacionais para fazer o MIT acessível para milhões de estudantes ao redor do mundo”.

Focados nisso, a universidade criou o programa MIT G-Lab (Global Entrepeneurship Lab). Fundado em 2000, já levou estudantes do MIT a pouco mais de 350 empresas em mais de 50 localidades ao redor do mundo. Normalmente, as equipes são formadas por quatro estudantes de segundo ano do MBA da escola de negócios da Universidade. Esses trabalham remotamente com a empresa-parceira por 3 meses e, ao final do projeto, passam 3 semanas trabalhando presencialmente, imersos na cultura do país, da cidade e da empresa que foram pareados.

Além de levarem novas ideias e conhecimento valioso às empresas, esses estudantes possuem uma oportunidade única de colocarem em prática tudo que aprendem nas salas de aula de uma das maiores universidades do mundo.

Equipe 2018

Adam Milner, Nirali Savla, Cristina Sanders e Jeffrey Chao

Esse ano, a Samba recebeu 4 estudantes de origens e experiências bem distintas para trabalhar com o nosso produto mais novo, o Samba Play. Encarar um produto que acabou de fazer 1 ano já é um desafio por si só!

A equipe se envolveu diretamente com novas ideias e novos projetos para o produto, como a criação de um perfil ideal de cliente para auxiliar nossas equipes de marketing e vendas e também, a elaboração de um roadmap do produto para cada um desses perfis de clientes. Durante a estadia em Belo Horizonte e o dia a dia de trabalho na Samba, eles fizeram bastante pesquisa, aprenderam sobre nossos produtos, entraram em contato com clientes e muito mais. Tudo isso voltado para a melhoria contínua do Samba Play.

Além disso, por terem experiências profissionais tão diversas, cada um deles trouxe lições importantes que aprenderam em empresas ao redor do mundo que, assim como a Samba Tech, investem forte em inovação e tecnologia.

Quer conhecer um pouco mais sobre Cristina, Adam, Nirali e Jeffrey e saber um pouco mais como foi a estadia deles em Belo Horizonte? Confira:

O que eles trouxeram para a Samba

Os quatro estudantes do MIT que integraram o time da Samba em 2018 possuem experiências profissionais bem variadas. Por exemplo, Cristina é natural do Texas, nos Estados Unidos, e já trabalhou em uma empresa de design em Ohia, enquanto Adam é natural da África do Sul e foi gerente de produto na Amazon.

Com currículos tão diversos, nossos convidados mais que especiais trouxeram para a Samba lições de empreendedorismo que aprenderam em empresas ao redor do mundo.

Confira o que disseram sobre o assunto e inspire-se!

Cristina Sanders: “Nosso time é bem diverso. Todos viemos de experiências bem diferentes. Acredito que o que eu trouxe foi minha experiência em agência criativa. Como quando estávamos pensando em elaborar nossa apresentação final ou até por estar acostumada a essa cultura. Os outros membros do time estavam em dúvida: ‘será que deveríamos sair com eles fora do trabalho?’ É claro! É divertido conhecê-los de uma forma mais pessoal. Assim, quando estamos trabalhando juntos temos uma conexão mais forte.”

Nirali Savla: “Uma das coisas mais importantes que aprendi na minha vida profissional até agora é que o cliente é o foco principal sempre. Pense no cliente primeiro. Acredito que é uma das coisas que trouxemos à Samba. É um dos valores da Samba também. Mas pensando no projeto e criando o roadmap para a Samba, uma das coisas que realmente enfatizamos é pensar no cliente primeiro.”

Adam Milner: “Antes de mudar para os Estados Unidos trabalhei em uma variedade de empresas de tecnologia. Trabalhei em uma startup VC e uma ad-tech (tecnologia de anúncios) em expansão. Uma das coisas que aprendi foi que as empresas sempre enfrentam desafios quando vão de startups pequenas para empresas em expansão. Isso foi o mais interessante de vir para a Samba Tech e ver como ela está lidando com este mesmo desafio. Outra coisa é a importância da colaboração e abertura no ambiente de trabalho, além de algum tipo de processo que permite e facilita inovação.

Jeffrey Chao: Antes da Samba eu era engenheiro em uma empresa de energia e consultor de estratégia. O que eu trouxe das minhas experiências passadas foi, realmente, o pensamento estratégico e as estruturas de consultoria que eu usava no passado. Por exemplo, como crescer? Quais são os passos que devemos tomar para crescer? Como você pensa no mercado?”

O que eles aprenderam com a Samba

E é claro, após a estadia no Brasil, eles também aprenderam lições valiosas com a Samba que eles irão levar para sua vida profissional futura. A Samba já foi considerada pela Fast Company como uma das empresas mais inovadoras da América Latina e, atualmente, estamos no top 30 das PMEs mais amadas do Brasil!

Eles têm um desafio muito grande e bastante trabalho a fazer, mas aqui, nos comprometemos a fazer com que eles vivam essa experiência ao máximo, levando do Brasil, além de muitos ensinamentos, memórias e experiências inesquecíveis.

Quer saber o que os estudantes acharam da Samba, da nossa cultura e da nossa cidade?

Jeffrey Chao: No momento que entramos por aquela porta, as boas vindas que recebemos. Foi uma experiência incrível! Estou muito grato que pude estar aqui. Acredito que há duas lições principais que irei levar comigo: a cultura da Samba e como ser um empreendedor determinado. Ouvimos muitas histórias sobre como a Samba Tech começou, como o Gustavo (Caetano) criou o “YouTube falso” que não funcionava e fingia que havia acabado a bateria. São histórias muito inspiradoras. Você realmente tem que trabalhar duro e fazer tudo dar certo quando abre uma empresa. Esse é meu objetivo para o futuro: abrir e liderar uma empresa e essas histórias realmente me inspiraram a fazer isso daqui para frente.”

Cristina Sanders:É muito divertido estar aqui. Todo mundo gosta de estar aqui e está feliz. Você vem trabalhar com pessoas que estão empolgadas e felizes por estarem trabalhando. Se eu conseguir levar isso para onde eu for, será incrível!”

Nirali Savla: ‘Acho que eles realmente querem que a gente se divirta muito aqui no Brasil. Levam a gente para almoçar todo os dias ou fazem planos para as noites, levando a gente para dançar. Tudo tem sido ótimo e maravilhoso. Eu me diverti muito trabalhando com todos eles.’

Adam Milner: “O trono ‘O cliente é rei’ mostra como a Samba valoriza os clientes e o quão importante os clientes são para eles. Tem sido uma experiência fantástica, inacreditável que mudou a minha vida. Estou muito grato por isso.”


E se você quiser conhecer o Samba Play, produto que fez parte do projeto G-Lab desse ano, faça um tour pela plataforma e veja o funcionamento na prática!
tour samba play

Por: Débora Gomes

Produtora de conteúdo no Blog da Samba. Estuda Letras na UFMG e trabalha com marketing digital com foco em atração por meio de estratégias de conteúdo e SEO.

Contribua com este post nos comentários