• Blog
  • >
  • Insights
  • DRM: o que é e como ele protege vídeos com eficiência máxima

DRM: o que é e como ele protege vídeos com eficiência máxima

Quando uma pessoa adquire um conteúdo de forma legal, como um DVD ou um arquivo de áudio, normalmente ela se depara com algumas restrições quanto a seu compartilhamento e distribuição. Além dos tradicionais avisos escritos entregues quando você compra ou reproduz a mídia, em alguns casos é impossível fazer cópias de backup desses conteúdos ou reproduzi-los em diferentes máquinas. E sabe qual é a tecnologia responsável por isso? O DRM.

Hoje, com o avanço da tecnologia e a facilidade de compartilhamento de arquivos na internet, produtores de conteúdo de todos os tipos têm buscado formas mais eficientes de lidar com a pirataria digital. E nesse cenário, o DRM tem ganhado destaque, pois consegue garantir múltiplas camadas de proteção a diferentes tipos de conteúdo.

Não é a toa que essa tecnologia é a queridinha da indústria fono e cinematográfica e é utilizada por grandes empresas como o Netflix.

Quer entender tudo sobre essa tecnologia e descobrir como ela pode ser aplicada também ao seu conteúdo digital? É só continuar lendo.

E antes de começar, você também pode entender mais sobre a pirataria digital e descobrir outras formas de proteger seus vídeos contra cópias ilegais. É só acessar o material aqui!

pirataria digital

O que é DRM?

O DRM, em inglês Digital Rights Management (Gestão de Direitos Digitais), consiste em um conjunto de tecnologias que tem por objetivo proteger conteúdos digitais contra cópias não autorizadas, assegurando assim os direitos autorais dos produtores de conteúdo e marcas registradas.

Ele é uma das formas mais completas e eficientes de proteção de conteúdo atualmente. Isso acontece pois, enquanto outras tecnologias funcionam de uma única maneira, o DRM entrega múltiplas camadas de segurança ao mesmo tempo e então torna mais difícil a cópia e distribuição ilegal de conteúdos digitais.

Infelizmente, hoje, com um simples plug-in no navegador, em muitos sites é possível baixar o material disponibilizado e, por isso não é raro encontrarmos cursos, filmes e músicas sendo comercializados em sites clandestinos ou distribuídos de forma ilegal. Por isso, cada vez mais os produtores de conteúdo têm que se preocupar em proteger seus materiais para além do simples “paywall“.

Diante desse cenário, muitos produtores já se preocupam com a segurança dos conteúdos e investem em recursos como a distribuição dos vídeos em formatos adaptativos, como o HTTP Live Streaming (HLS) e o HTTP Dynamic Streaming (HDS). Porém, apesar de dificultarem muito a pirataria, de forma isolada, mesmo essas camadas de segurança podem ser quebradas e deixar o conteúdo digital vulnerável.

E é aí que entra o DRM.

Embora não exista uma definição precisa sobre essa tecnologia, geralmente existem quatro elementos ligados a ela:

  • Direitos digitais gerenciáveis
  • Encriptação
  • Gestão de licença
  • Player habilitado

Vamos falar brevemente sobre cada um destes pontos e como eles contribuem para a eficiência do DRM:

Direitos digitais gerenciáveis

Em palavras simples, os direitos digitais são regras de reprodução e distribuição que você pode definir para seu conteúdo. Com eles você pode determinar quem vai assistir seu conteúdo, quando ele poderá ser executado e também onde isso poderá ser feito.

Por exemplo, você pode impedir que o conteúdo seja assistido em mais de um dispositivo ao mesmo tempo, pode determinar um número limitado de reproduções para o material, pode impedir sua exibição por meio de saídas HDMI e muito mais.

Assim, você consegue comercializar seus materiais da forma que preferir e pode limitar a forma como ele será consumido e compartilhado, assegurando seus direitos autorais e de distribuição.

Encriptação

A encriptação consiste basicamente em uma tecnologia que torna dados digitais ilegíveis para todos que não possuem a chave especial (senha) de acesso a um determinado conteúdo. E nesse caso, quando falamos de senha, não estamos nos referindo ao simples processo de criar uma senha simples para impedir o acesso ao conteúdo. A encriptação cria uma chave de segurança diferenciada por vários outros processos de cruzamento de dados e assim torna extremamente difíceis os acessos ilegais.

Com essa feature, é possível distribuir diferentes materiais apenas para plataformas previamente autorizadas e em concordância com os direitos digitais determinados.

Gestão de licença

Este é a feature que controla e gerencia as regras e os acessos. Por exemplo, os vários usuários que podem reproduzir o conteúdo sob uma única licença.

Player habilitado

O player é aquele que será responsável por comunicar com o servidor de licenças e que cumprirá com as restrições de reprodução determinadas nos direitos digitais e encriptação.

Por isso é muito importante que ele seja de alta qualidade e que tenha uma estrutura robusta, capaz de suportar e apoiar todas essas camadas de segurança.

O DRM no mercado de EAD

Apesar de por muito tempo o DRM ter sido utilizado quase que exclusivamente por empresas da indústria fono e cinematográfica, nos últimos anos essa tecnologia começou a ser uma grande aliada também de produtores de conteúdo educacional e passou a ser extremamente importante para o mercado de educação a distância.

O Brasil é o 2º país que mais pirateia conteúdo no mundo inteiro e, infelizmente, instituições de ensino e cursos livres que trabalham com EAD também estão sujeitos aos riscos e perdas causados por essa prática.

Sem a proteção correta, é relativamente simples baixar conteúdos da internet e, por isso, não é raro encontrarmos conteúdo de alta qualidade sendo vendido ilegalmente em e-commerces e plataformas clandestinas e não autorizadas. E isso, em grande escala, faz com que muitos profissionais da educação acabem desistindo de seu negócio ou tendo prejuízos tão grandes que o projeto se torna insustentável.

Afinal, quando alguém pirateia um conteúdo e o vende ou distribui de forma ilegal, mais do que apenas ferir os direitos autorais do criador, essa pessoa gera perdas financeiras para o detentor do conteúdo e prejudica toda uma cadeia de profissionais e trabalhadores que foram envolvidos na criação e distribuição desse material.

Portanto, é preciso estar preparado para lidar com essa situação e, além de denunciar os piratas e e-commerces ilegais, investir em métodos eficientes de proteção de conteúdo, como o DRM.

Victor Dalton, CIO do Estratégia Concursos, plataforma focada na preparação dos alunos para concursos públicos, entende perfeitamente esse cenário e, recentemente fechou uma parceria com a Samba Tech para obter a proteção por DRM em seus conteúdos. Em uma visita à empresa, ele falou um pouco sobre a pirataria digital e seus prejuízos e contou também como tem sido feito o combate à essa prática. Confira no vídeo:

Controvérsias sobre essa tecnologia

Algumas pessoas ainda têm certa resistência ao DRM, principalmente porque ainda é muito comum relacionar a compra de conteúdo à compra de produtos físicos tradicionais em que “se eu comprei, agora é meu e eu faço o que quiser”.

Porém, no caso de materiais digitais, as coisas não são bem assim. Assim como você legalmente não pode fazer várias cópias de um tênis de uma marca específica e começar a comercializar, isso também não é permitido no caso de conteúdos digitais. Apenas a pessoa que adquiriu ou ganhou acesso legal a um conteúdo é quem pode executá-lo e isso não deveria ser nenhum absurdo! Afinal de contas, é sempre necessário reconhecer o trabalho de todos os profissionais envolvidos na criação desse material e entender que a venda ou distribuição ilegal prejudica a manutenção da produção de conteúdo, assim como todo o mercado de educação.

O DRM é uma forma de proteger os conteúdos contra atividades criminosas e ilegais e esse é um direito dos produtores digitais.


O DRM já é uma realidade no mercado de entretenimento e agora também está ampliando seu alcance no universo da educação a distância, se tornando cada vez mais acessível a produtores de conteúdo independentes e instituições de ensino.

Apesar de ser uma tecnologia complexa, sua implementação já está muito mais simples e, por meio de empresas como a Samba Tech, hoje é possível contar com ela e fazer com que todo o seu conteúdo fique protegido da forma mais eficiente possível.

Para começar a aproveitar o melhor da tecnologia para proteger seus vídeos, é só falar com a gente clicando aqui ou entrando em contato pelo telefone.

Se você já leu nosso conteúdo sobre pirataria digital e conferiu nosso material sobre segurança de vídeos, confira também nosso checklist abaixo para descobrir outros fatores que são essenciais para um EAD de sucesso!

checklist ead

Por: Nathália Tameirão

Coordenadora de Marketing Digital na Samba Tech e especialista em SEO e conteúdo. Formada em Publicidade e Propaganda pela UFMG, é responsável pela estratégia de conteúdo da Samba, com foco em atração e conversão.

Contribua com este post nos comentários