• Blog
  • >
  • Insights
  • 4 motivos para investir no treinamento para colaboradores.

4 motivos para investir no treinamento para colaboradores.

O processo de aprendizagem é algo contínuo em nossas vidas. Não é apenas dentro de ambientes formais — como escolas e universidades — que podemos desenvolver nossas habilidades técnicas e comportamentais. Investir em treinamentos para colaboradores é uma maneira da empresa incentivar a busca de habilidades para superar os desafios profissionais.

Entender o que é gestão de pessoas é compreender que ela vai além das técnicas aplicadas para gerenciar os colaboradores. É também investir em possibilidades de crescimento de todos que compõe os times, a fim de que as equipes atinjam altas performances.

Se você tem dúvidas sobre os benefícios de investir no treinamento para colaboradores, continue a leitura! Neste post, apresentaremos 4 motivos para adotar essa estratégia.

1. Valorizar o capital humano.

Todo planejamento estratégico e financeiro de uma empresa passa por um elemento fundamental: as pessoas. É por meio do trabalho dos seus colaboradores, que as organizações atingem seus objetivos e potencializam o seu negócio. Por isso, valorizar o capital humano torna-se um diferencial competitivo.

O termo “capital humano” foi criado na década de 1950 pelo economista norte-americano Theodore W. Shutz. De forma resumida, esse conceito é definido como um conjunto de investimentos destinados ao crescimento das pessoas, tanto em nível educacional, como profissional. 

Existem diferentes maneiras de investir no capital humano, uma delas é por meio de treinamentos e especialização. É possível oferecer uma educação continuada por meio de cursos corporativos e-learning ou fazendo parcerias com instituições educacionais (como Universidades).

Quando o colaborador é capacitado com o incentivo da empresa, acaba sentindo-se mais próximo da organização, o que fortalece o engajamento. Segundo pesquisa realizada pela Forbes, funcionários que se sentem mais realizados com o seu trabalho produzem 20% mais se comparado aos que não estão satisfeitos com suas funções.

Os treinamentos podem estar relacionado ao cotidiano dos trabalhadores, qualificando-os para as funções diárias. Os profissionais de RH podem também realizar pesquisas para entender as dificuldades encontradas em determinados setores e oferecer cursos que ajudem na superação desses desafios.

Entretanto, além dos treinos específicos, é importante incentivar que os colaboradores façam cursos de especialização e busquem o conhecimento por meio de atividades que não estejam relacionados diretamente ao seu trabalho. Assim, a empresa consegue ampliar a visão e a criatividade dos seus funcionários.

2. Reter talentos.

Um dos grandes problemas enfrentados pelas empresas é o prejuízo sofrido com o turnover. A rotatividade de funcionários afeta o lucro das organizações e a credibilidade como marca empregadora. Afinal, fluxo grande de demissão pode implicar em uma necessidade contínua de novas contratações.

Dentre as dicas para reter talentos está o investimento em desenvolvimento profissional. Quando a empresa mostra para seus colaboradores que investe em sua qualificação, há uma sensação de valorização e respeito.

É importante que os treinamentos não sejam focados apenas no cotidiano dos trabalhadores, mas também ofereça oportunidade de novos aprendizados. Detectar os desejos e os anseios dos colaboradores ajuda a elaborar cursos realmente relevantes. Para tanto, a gestão de pessoas precisa realizar uma pesquisa para indicar áreas que os profissionais gostariam de desenvolver.

Outra forma de valorizar os colaboradores é deixá-los liderar um treinamento. A gestão de pessoas pode descobrir o que o profissional poderia compartilhar com o seu time ou com as outras equipes e formalizar um treinamento. Além de economizar com a contratação de um curso externo, a empresa mostra que acredita e valoriza o conhecimento de seus funcionários.

3. Desenvolver habilidades comportamentais.

O comportamento é um fator crucial para o desenvolvimento dos colaboradores. Muitas vezes, os profissionais realizam seu trabalho de forma adequada, mas não conseguem integrar com colegas de trabalho e podem prejudicar o clima organizacional.

Oferecer treinamento para desenvolver as soft skills é essencial para promover um ambiente de trabalho mais ameno, seguro e acolhedor. Afinal, soft skills são habilidades de relacionamento interpessoal e comportamental, tais como: comunicação clara, empatia, escrita, organização, planejamento etc.

Ao contrário das habilidades técnicas — hard skills —, as características comportamentais são aprendidas e evoluídas no cotidiano pessoal e profissional. Um desafio no ambiente de trabalho é uma oportunidade para conseguir aprimorá-las.

A gestão de pessoas pode encontrar destaques profissionais em algumas características comportamentais e convidá-los a compartilhar experiências com os colegas de trabalho. Ao promover esse momento, a organização estará incentivando o aprendizado constante e as habilidades comunicacionais.

Outros modos de desenvolver essas habilidades é por meio de desafios, a equipe de RH pode reservar um horário e realizar uma dinâmica com alguns grupos de colaboradores. Antes, porém, é necessário ter um objetivo bem estabelecido. Dessa forma, as atividades estarão focadas e proporcionarão resultados.

O feedback também é um modo de oferecer caminhos para a evolução dessas características. Para tanto, a gestão precisa ter atenção aos perfis dos colaboradores e dialogar sobre pontos fracos e fortes. Criar um Plano de Desenvolvimento Individual é uma maneira de gerar um vínculo entre a gestão e o colaborador em um compromisso de evolução pessoal.

4. Incentivar a cultura organizacional.

A cultura organizacional é o conjunto de valores que representa a empresa. Quando há uma conexão entre os princípios pessoais dos colaboradores com os pilares da organização, temos uma sintonia que proporciona engajamento.

Para que os colaboradores adotem a cultura organizacional para si, caberá à gestão incentivar o fortalecimento desses princípios. Quando a alta diretoria da empresa não representa os princípios estipulados, cria-se uma dificuldade de comunicação com todos os profissionais.

A cultura precisa ser flexível e adotar mudanças quando necessárias, mas é preciso que haja uma direção: não se pode trocar os valores em todos os momentos, os colaboradores precisam se identificar com eles e adotá-los para o dia a dia.

Se a empresa coloca como um de seus pilares culturais a troca de experiência, será rotineiro articular ações que promovam momentos de ensinamento. Assim, a cultura ficará fortalecida e os colaboradores assumiram parte desses valores. Os treinamentos serão criados e incentivados por eles, que terão a troca de experiência como parte da vida organizacional.

Investir no treinamento para colaboradores é uma maneira de evitar prejuízos futuros e fortalecer a imagem da empresa. É um dos princípios do Employer Experience valorizar o patrimônio cultural e educacional de cada um dos colaboradores. Por meio disso, a empresa consegue crescer e alcançar melhores resultados.

É necessário, porém que os treinamentos sejam realmente efetivos. Uma maneira de identificar se o curso aplicado foi eficiente ou não, basta adotar KPI (Key Peformance Indicators). Se você quer saber se a direção da sua empresa está sendo seguido a risca, confira nosso conteúdos sobre indicadores de RH que devem ser acompanhados!


Esse conteúdo foi originalmente produzido por Giuliano Sales, analista de conteúdo da Sólides. A Sólides é especialista em software para identificação de perfil comportamental usado em processo de contratação, gestão e desenvolvimento de pessoas feito por Profissionais de RH, Coach, Educadores e Treinadores.

Por: Autor Convidado

Eu sou um autor parceiro da Samba Tech :)

Contribua com este post nos comentários