Acessibilidade nos vídeos: porque é tão importante se preocupar com isso

São mais de 360 milhões de deficientes auditivos no mundo. Quase 10 milhões só no Brasil. Esse número representa 5,1% da população do nosso país. Segundo o censo do IBGE, 20% das crianças em fase escolar possuem algum grau de deficiência auditiva. E o número só tende a crescer, visto que a população idosa brasileira saltou de 2,7% para 7,4%. 

Há 17 anos a aprovação da Lei nº 10.436 garante os direitos de parte dessa população, reconhecendo a Língua Brasileira de Sinais (libras) como oficial. E, apesar das barreiras da acessibilidade, a tecnologia já chegou para impactar esse cenário. 

Cerca de 80% dos surdos têm dificuldade em ler e escrever, pois suas experiências sobre comunicação são extremamente visuais. Por isso, na era dos vídeos online, do EAD e do e-learning, se torna importante olharmos para a linguagem de sinais como uma possibilidade mais do que real, necessária e importante. 

Apenas imagem não basta

Ao contrário do que muita gente pensa, inserir legendas em vídeos não garante a acessibilidade de um conteúdo para o deficiente visual de forma definitiva. 

Existem deficientes que já nasceram sem a audição e outros que a perderam em algum momento da vida. Para o segundo grupo, a lingua portuguesa pode ser presente em sua vida, já que tiveram contato com o idioma. Contudo, para quem nasceu surdo ou perdeu a audição antes de ser alfabetizado, os textos – e as legendas dos vídeos – são irrelevantes, porque sua lingua materna é a libra. 

Dessa forma, existem os surdos que se comunicam por libras, aqueles que utilizam a língua portuguesa e os bilíngues, que compreendem os dois idiomas.

Uma comunicação eficiente com surdos por meio de vídeos precisa considerar este grupo por completo, e não apenas uma parcela dele.

Por que tornar meus vídeos acessíveis para surdos?

Poderíamos dizer que por uma questão de empatia com quase 10 milhões de brasileiros que são deficientes visuais. Contudo, a lei também mostra a importância da acessibilidade. 

“Art. 63. É obrigatória a acessibilidade nos sítios da internet  mantidos por empresas com sede ou representação comercial no País ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente.”

Mesmo que ela abranja a princípio empresas gorvernamentais, meios de comunicação e produções audiovisuais realizadas com recursos públicos, o fato de ela existir mostra que, nos últimos anos, o combate à discriminalização de qualquer grupo de nossa sociedade está, finalmente, sendo enfrentado. Sua empresa está fazendo sua parte?

Nova era dos vídeos

O vídeo é uma ferramenta ainda mais eficiente para se comunicar com surdos do que textos, já que pode combinar as legendas, a tradução em libras e o contexto das próprias imagens, que também permitem a leitura labial. 

Em 2017, pela peimeira vez, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) contou com uma prova em vídeo traduzida em libras para os alunos com deficiência auditiva. 

Maurício de Souza e sua turma, sempre preocupados com a inclusão, também criaram uma playlist de episódios especialmente para os surdos no canal do Youtube da Turma da Mônica. 

Aqui na Samba, alguns clientes também estão mandando bem na assessibilidade. É o caso da Damásio, Ser Educacional e Grupo A, que apostaram no tradutor em libras para conseguir transmitir seu conteúdo para os deficientes auditivos. 

Como inserir libras nos vídeos

O Samba Vídeos  possui integração com a Handtalk, empresa que realiza tradução automática e digital na linguagem de sinais. Essa comunicação nos vídeos é feita pelo intérprete virtual Hugo, personagem 3D que dialoga de forma interativa e de fácil compreensão. 

Se você quiser saber como integrar o serviço de libras em seu conteúdo, entre em contato com a Samba! 


Por: Mariana Vasconcellos

Formada em Jornalismo, especialista em Marketing Digital, trabalha na Samba na automação e estratégia de e-mail e Marketing de Produto.

Contribua com este post nos comentários