Por Em Em janeiro 15, 2018

Curso livre: como montar e ganhar dinheiro com seu conhecimento

Com a crise econômica pela qual o Brasil tem passado, e a dificuldade cada vez maior de conseguir um espaço no mercado de trabalho formal, a maioria das pessoas está em busca de especializações para se destacar perante aos concorrentes. E isso aumenta a procura por um tipo de negócio específico: os cursos livres.

Diante desse cenário, se você possui algum conhecimento específico ou entende muito sobre um assunto, essa pode ser a sua hora de investir em seu próprio curso – e também de encontrar uma excelente alternativa às concorridas vagas de trabalho comuns, tendo seu próprio negócio.

Hoje, com alguma experiência e conhecimento, qualquer pessoa pode dar aulas sobre diferentes assuntos e ganhar dinheiro na internet. Basta ter um bom conteúdo, algum cuidado com a parte técnica e uma boa estrutura de vendas.

Os cursos livres em vídeo hoje estão entre os mais populares. Eles são mais fáceis de compreender, exigem menos esforços em termos de aprendizado – se comparados à leitura de um livro, por exemplo – e são muito mais atrativos. Além do mais, eles são simples e rápidos de produzir: hoje qualquer um com um bom smartphone consegue produzir vídeos de boa qualidade que podem ser comercializados.

Portanto, se você quer aprender como montar seu próprio curso livre, continue lendo este artigo. Aqui você vai aprender o que é um curso livre, porque investir neles, quais as leis sobre esse tipo de ensino e como criar e vender seus próprios conteúdos.

Vamos lá?

E antes de começar, talvez você também queira dar uma olhada em como as pessoas estão produzindo e divulgando vídeos hoje. Confira nossa pesquisa para embasar seu projeto!

O que são cursos livres?

Antes de começar, é necessário entender o que são cursos livres e qual sua diferença para outros tipos de cursos online.

Cursos livres, basicamente, são especializações altamente pontuais, que visam profissionalizar e qualificar alguém para uma determinada tarefa ou trabalho. Exatamente por serem tão pontuais, é possível encontrar uma enorme variedade de cursos livres – desde técnicas de costura à aulas de mecânica. Portanto, essa modalidade não tem uma duração determinada, como acontece com cursos técnicos ou superiores. Aqui, as aulas podem ser consumidas em poucas horas, dias ou até meses – tudo depende do conteúdo e sua profundidade.

Outra característica que define um curso livre é sua desvinculação com o MEC ou outros órgãos educacionais, apesar de seu reconhecimento Legal. Isso acontece exatamente pelos cursos livres não terem a responsabilidade de seguir cronograma ou carga horária específicos, não exigirem níveis de escolaridade dos alunos, e não emitirem diplomas profissionais. Essa modalidade de educação, portanto, não é reconhecida como possuindo o mesmo nível de um ensino superior, profissionalizante ou técnico.

Cursos livres são apenas um meio de capacitação e aperfeiçoamento das habilidades de uma pessoa. Portanto, eles nunca devem ser feitos pensando-se em adquirir ou oferecer uma formação profissional. Eles são apenas uma forma de alguém se especializar rapidamente sem gastar muito.

Porque investir em cursos livres

Os motivos pelos quais alguém procura por cursos livres são os mesmos pelos quais você deve investir neles. Confira:

Flexibilidade e Praticidade

Você com certeza já deve ter passado por uma experiência em que correu para a internet atrás de conhecimento, não é? Pesquisas de receitas, matérias escolares, línguas estrangeiras… as possibilidades de busca online são infinitas e esse é um dos principais motivos do sucesso dos cursos livres. Totalmente online, eles entregam conteúdo de qualidade, na hora que você mais precisa, no dispositivo que você quer, e sem exigir conhecimento prévio ou outras experiências educacionais.

Custo benefício

E justamente por serem totalmente online e mais pontuais, os cursos livres normalmente são muito mais baratos que outros tipos de cursos – tanto para quem ensina, quanto para quem aprende. E nesse caso, o baixo preço não significa baixa qualidade: dá para aprender muito com esses cursos e aplicar o conhecimento de forma rápida no dia a dia – que é o que a maioria das pessoas busca.

Variedade

Como já citamos, é possível encontrar cursos livres que abordam diversos assuntos – desde culinária básica até física quântica. Portanto, não importa qual a sua especialidade: com os investimentos certos em divulgação, você sempre terá público para seu conteúdo.

Para te ajudar nessa parte, você pode ler este material aqui, que fala sobre nichos de mercado e definição de público. Vale a pena! 

Aprendizado facilitado

Por serem mais curtos, de fácil consumo e predominantemente em vídeo, os cursos livres facilitam o aprendizado e a absorção do conteúdo. Com eles, os alunos conseguem compreender o conteúdo mais rapidamente e logo já podem aplicar as lições no dia a dia. Isso é excelente para quem precisa dominar um tema rapidamente e não tem tanto tempo para uma pesquisa mais aprofundada.

O que a legislação diz sobre cursos livres? Eles precisam ser regulamentados pelo MEC?

De acordo com a Lei nº. 9394/96, os cursos livres não precisam ser regulamentados por nenhum órgão de educação para funcionar. Portanto, eles também não precisam ter uma carga horária ou dias de estudo fixos.

Por isso, eles não são considerados profissionalizantes e nem podem ser tratados como cursos técnicos. Além do mais, eles não têm autorização para emitir um diploma profissionalizante ou com autorização para atuação técnica – apenas um certificado de conclusão ou participação no curso pode ser emitido. De acordo com a Lei, os cursos livres se encaixam na categoria de Educação Profissional Básica e devem ser feitos para fins culturais, de conhecimento ou atividades curriculares.

Já que não há nenhuma obrigação em termos de nível do conteúdo, carga horária, materiais e outros pontos, tudo  isso deve ficar claramente acordado entre o vendedor do curso e o aluno na hora da compra, através de um contrato ou termo de adesão. Isso ajuda a evitar constrangimentos posteriores e a manter o ensino democrático e livre.

Como montar um curso livre?

Agora que você já entendeu mais sobre o conceito dos cursos livres, porque as pessoas procuram por eles e a legislação por trás dessa atividade, já pode pensar em montar o seu próprio curso livre. Veja o passo a passo do que você precisa para fazer isso:

1. Domine um assunto

Nós já falamos um pouco sobre esse ponto e ele é realmente o mais importante quando se trata de montar um curso livre. Afinal, se você pretende ensinar alguma coisa à alguém, precisa dominar o assunto e ser um especialista no que fala.

Por exemplo, se você é um professor de física, pode criar um curso livre para reforçar matérias relacionadas a esse tema. Se você é um profissional de marketing com muita experiência no mercado, pode criar um curso sobre esse assunto. Se você toca um instrumento, pode dar aulas para iniciantes que queiram aprender. As opções são infinitas! Portanto, pense no que você é bom e em como isso pode se tornar um curso.

2. Entenda o público

Ok, eu já pensei sobre minha especialidade e sei como transformá-la em um curso. Mas afinal de contas, para quem eu vou vender isso? Quem é que vai querer comprar meu conteúdo?

Essa é uma dúvida que muitas pessoas tem na hora de criar seus cursos, e ela pode ser resolvida de uma forma bem simples: com estudo e a definição de personas para seu negócio. A partir da escolha do tema do seu curso, pense em quem poderia consumir esse conteúdo e crie grupos de público. Feito isso, pegue cada grupo, estude sobre eles, levante suas principais características e monte personas para seu negócio.

As personas são representações do público ideal de um empreendimento e podem te ajudar muito – desde a produção do conteúdo até a divulgação. Portanto, capriche nessa etapa!

3. Planeje o conteúdo

Com as personas definidas, é hora de começar a produzir seu conteúdo, certo? Quase. Antes, é preciso que você planeje seu curso e cada um dos vídeos que pretende criar. Isso é importante porque, caso contrário, você corre o risco de se perder durante a gravação e atrasar sua produção.

Portanto, antes de começar, pense em quantas aulas você terá em seu curso, qual será a duração de cada uma delas, qual será o assunto, quem participará de cada aula, e mais. Então, anote essas informações, faça um cronograma com tudo de forma organizada e só então comece a produzir.

4. Faça bons conteúdos

Hoje em dia, criar conteúdos em vídeo é extremamente simples e qualquer um pode fazer isso. Porém, lembre-se de que você está pretendendo comercializar esses vídeos e, por isso, eles devem ser bons o bastante para que alguém pague por eles.

É importante garantir algumas coisas básicas: uma boa iluminação, uma boa qualidade de som e imagem e algumas edições simples. Apenas isso pode deixar seus vídeos muito mais profissionais e, ao contrário do que pode parecer, é bem simples investir nesses pontos. Leia os artigos a seguir e veja como ter bons resultados sem gastar muito!

E caso queira montar seu próprio estúdio caseiro, vale a pena ver também este material aqui, que conta tudo sobre o assunto: 

montar um home studio e escolher um aplicativo para gravar videos

5. Tenha uma boa plataforma de vendas

Com os conteúdos prontos e uma estratégia traçada, é hora de colocar tudo no ar e começar a ganhar dinheiro com a venda. E para isso você não precisa de montar seu site do zero e montar toda a estrutura tecnológica: você precisa apenas escolher uma boa plataforma de venda de conteúdo.

Com ela, você já tem um ambiente totalmente pronto para vender seus cursos e não precisa se preocupar em produzir algo do zero – o que é um problema, principalmente para quem não entende de programação e design. Basta subir seu conteúdo, escolher se vai vender de forma pontual ou por assinatura, e começar a ganhar dinheiro.

Só não se esqueça de, ao contratar a plataforma, garantir que ela possui uma estrutura completa e capaz de garantir o sucesso de seu negócio, incluindo pontos como personalização, segurança, estabilidade dos conteúdos e um sistema de pagamento confiável.

Este artigo aqui te conta um pouco mais sobre como escolher a estrutura adequada para vender seus conteúdos. Vale a pena conferir e até usar como um checklist!

E caso queira uma sugestão, nós indicamos que você conheça o Samba Play – uma plataforma completa para a venda de cursos e conteúdos.

6. Aposte no marketing digital

Com os conteúdos prontos e já no ar, é hora de divulgá-los! Invista bastante no marketing digital e sempre pense em como você pode atingir o seu público ideal – aquele mesmo que você definiu lá na segunda etapa.

Invista em redes sociais, faça anúncios, crie uma base de contatos, envie e-mails, trabalhe o SEO e sempre procure por formas de tornar sua divulgação mais eficiente.

Este outro material aqui pode te ajudar muito neste ponto:

marketing digital para plataforma de vendas

7. Caso deseje, faça certificados de participação

Depois que você já tiver alunos em seu curso, pode ser que muitos deles, ao concluí-lo, peçam certificados de conclusão ou participação – para usar no trabalho, inserir no currículo ou apresentar na faculdade. Uma dúvida comum de quem oferece cursos livres é: eu posso emitir esses certificados? E a resposta é sim!

Você pode emitir certificados para seus cursos, uma vez que deixe bem claro que eles não têm nenhum teor oficial – não são reconhecidos pelo MEC ou outras instituições reguladoras – e que servem apenas para atestar a participação de uma pessoa em uma atividade.

Portanto, esse é mais um benefício que você pode oferecer aos alunos na hora de vender o curso.

8. Mantenha contato com quem concluiu os cursos e faça pesquisas de satisfação

Quando seus alunos concluírem os cursos, mantenha contato com eles – seja por uma lista de email ou pelas redes sociais – e sempre avise sobre atualizações, módulos mais avançados ou outros conteúdos que possam ser do interesse deles.

É importante também que você aplique pesquisas de satisfação ao final dos cursos, não apenas para ver se as pessoas estão gostando do conteúdo, mas também para ter insights sobre o que pode ser melhorado e mudado no conteúdo. A opinião de quem teve contato direto com seus cursos é a fonte mais valiosa de conhecimento para se aprimorar!


Pronto para ter seus próprios cursos livres?

Agora que você já viu o passo a passo básico para montar um curso livre, é hora de começar. Escolha seu tema e comece a ganhar dinheiro apenas transmitindo o conhecimento que você já tem!

É simples e, além de ser um ótimo negócio para você, pode ajudar milhares de pessoas que estão em busca de aprendizado.

Por fim, caso você queira entender mais sobre como pode criar seus cursos online, leia nosso guia clicando no banner abaixo! Vai te ajudar muito.

cursos online como ideias para vídeos

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em janeiro 12, 2018

Como gravar um vídeo caseiro de qualidade profissional

Hoje em dia o mercado da educação a distância e dos vídeos sob demanda estão em alta, e, por isso, cada vez mais pessoas pensam em investir nisso e começar a lucrar com seu conteúdo. A boa notícia é que é muito possível fazer um vídeo caseiro de qualidade, sem precisar gastar rios de dinheiro. É bom pensar que para se fazer um vídeo caseiro com equipamentos e recursos um pouco mais limitados é preciso tomar cuidado com alguns detalhes importantes, e é sobre cada um desses detalhes, que vão desde a elaboração do roteiro até a escolha do thumbnail, que iremos falar nesse artigo.

E você, á pensou em ganhar dinheiro com seus vídeos caseiros? Confira tudo sobre o assunto e veja que sim, é possível montar um vídeo com qualidade profissional em casa. Aproveite e baixe nosso material gratuito e aprenda a usar seu conteúdo em vídeo como fonte de renda!

guia para ganhar dinheiro com video caseiro

Planejando seu vídeo caseiro

Um vídeo caseiro tem muito mais chances de dar errado do que um vídeo profissional, certo? Mas não é só porque ele é caseiro que precisa ser mal feito! É por isso que é preciso ter muito cuidado com todo o processo, especialmente com o planejamento. Todo projeto, para ter sucesso, precisa começar com um bom plano para entender quais são seus objetivos, quais as ferramentas disponíveis para alcançá-los e como isso tudo será feito. No caso de vídeos caseiros, é bom começar pensando qual será o assunto e o formato deles, já que isso irá guiar todo o restante do planejamento.

Assunto (tema)

Sobre o que eu vou falar? Essa pode ser uma pergunta comum na mente de quem quer trabalhar com vídeos. Escolher o assunto de um vídeo pode não ser tão simples quanto parece. É normal que você queira falar sobre um assunto que goste muito ou que domine, mas, não se esqueça, é bom pensar se esse assunto é relevante. Além de relevante, é preciso ver se há espaço para você dentro desse mercado, certo? Que tal então realizar uma busca pelo tema e analisar os primeiros resultados? Dependendo do assunto, se muita gente já fala sobre isso, pode ser difícil fazer o seu conteúdo se destacar. Isso pode acontecer especialmente em assuntos muito amplos. Por exemplo, se você pesquisar o assunto “séries de TV”, com certeza verá centenas (ou até milhares) de resultados semelhantes, mas se procurar um assunto menos amplos, como uma série de TV específica, a sua chance se destacar é bem maior. Afinal, se todo mundo já fala sobre um assunto, por que mais um falando a mesma coisa, certo?

Além disso, a relevância do seu conteúdo conta muito para termos de SEO (em mecanismos de busca). Em mercados muito amplos, por causa do grande número de vídeos, a sua chance de se posicionar melhor nas buscas é bem menor, ainda mais com um vídeo caseiro. E é claro, em um mar de conteúdos, você precisa ser visto! Então, é bom manter em mente que pensar em um assunto vai muito além do que você sabe ou quer falar sobre.

Formato

Após decidir sobre o que você irá falar, é bom pensar em qual formato de vídeo será feito. Alguns formatos funcionam melhor com alguns assuntos do que outros. Por exemplo, uma vídeo aula expositiva é bem diferente de um tutorial em screencast e também, de um vídeo animado. Por isso, é bom pensar exatamente onde o tema do seu vídeo caseiro melhor se encaixa antes de começar a gravar.

Equipamentos

Câmeras

Considerando que você irá fazer um vídeo caseiro, e não um vídeo profissional, provavelmente os equipamentos disponíveis serão um pouco mais limitados. Porém, não há motivo para desistir por causa disso, afinal, é mais do que possível gravar um vídeo de ótima qualidade sem gastar muito e sem ter equipamentos profissionais.

O ideal é que você tenha uma câmera boa e um bom microfone para captar o áudio separadamente.

Na hora de escolher uma câmera, para gravar bons vídeos caseiros você deve analisar a resolução. Ou seja, para vídeos não serve olhar a quantidade de megapixels da câmera, já que essa medida é apenas para fotos.

Hoje em dia ficou muito mais fácil encontrar equipamentos com boa resolução de câmera e com ótimo custo benefício, já que diversos modelos de smartphones já fazem vídeos em HD (1280×720) e até FULL HD (1920×1080). Além dos smartphones existem também inúmeras opções de câmeras semiprofissionais e com preço bem em conta que podem ser usadas para seus vídeos caseiros.

Microfones

No caso dos microfones são diversas opções também. Você pode estar se perguntando: “Por que investir em um microfone se a minha câmera já possui um embutido?”. A resposta na verdade é muito simples. A captação do áudio com um microfone externo fica muito melhor do que com o microfone embutido. Ainda mais no caso de um vídeo caseiro, nos quais podem ocorrer muito mais ruídos e interrupções externas (por exemplo: barulhos de carros, buzinas, latidos de cachorros). Assim, captando o som separadamente do vídeo, fica muito mais fácil tratar e remover essas imperfeições, aumentar ou diminuir o volume e muitas outras edições de áudio. Isso evita o trabalho de ter que filmar novamente caso algo tenha dado errado.

Se quiser ajuda para conhecer e escolher o microfone ideal para você, pode conferir nesse artigo aqui. 😉

Iluminação

Outro aspecto que vale investir um pouquinho é na iluminação do seu vídeo caseiro. Pense só, um vídeo com uma imagem nítida, som claro e sem ruídos e iluminação boa atrai muito mais público do que um vídeo escuro, com áudio baixo e qualidade ruim, certo? Pouca gente, quando vai gravar vídeos em casa, considera a iluminação deles, e é exatamente aí que você pode se destacar da concorrência.

Um vídeo bem iluminado, além disso, ainda transmite uma ideia de profissionalismo e conhecimento técnico, aumentando a autoridade do seu canal.

Se você não tem orçamento suficiente para investir em uma iluminação ainda, não tem problema! Apenas certifique-se de que você irá gravar no local melhor iluminado da casa e, claro, durante o dia. Vídeo gravados a noite, com pouca iluminação natural, perdem muito em qualidade e ficam muito difíceis de corrigir as imperfeições na hora da edição.

Se você quiser entender um pouco mais sobre a iluminação de vídeos caseiros e profissionais, pode conferir tudo nesse artigo aqui!

Verifique tudo sobre os equipamentos antes de gravar

Depois de escolher qual a melhor câmera, melhor microfone e entender tudo sobre iluminação dos vídeos, ainda tem uma atividade importantíssima a ser feita antes de começar a gravar seu vídeo caseiro: verifique aspectos como autonomia do equipamento, memória interna e configurações de qualidade de imagem.

Pesquise e faça testes a respeito da bateria e quanto tempo é possível gravar vídeos antes que ela acabe.

Muitos equipamentos, na sua tela de gravação, mostram quantos minutos ainda é possível gravar considerando o tamanho da memória interna, por exemplo. Aí você pode ter uma ideia de quanto tempo consegue gravar sem cortes e sem precisar descarregar os vídeos no computador. Isto é extremamente útil se você estiver gravando sozinho. Imagina estar gravando por um tempo para depois descobrir que, na verdade, a memória da câmera encheu e você não capturou nada disso.

video caseiro

É possível gravar mais 29:59 de vídeos

Depois de levantar todas essas informações sobre os equipamentos, você pode começar a planejar o roteiro do seu vídeo! Mas, antes disso, se quiser saber como montar um estúdio de gravação em casa, você pode baixar gratuitamente esse material e saber tudo sobre o assunto.

estudio de gravacao de video caseiro

Roteiro

Uma dica extremamente valiosa para quem quer entrar no mercado dos vídeos é: Evite improvisos! Se você não planejar exatamente o que pretende apresentar no seu vídeo, você pode se perder, repetir a mesma coisa várias vezes ou esquecer o que vai falar. E bom, não há nada pior que começar a assistir um vídeo e ele estar cheio de ‘éé….’; ‘bom……’; ‘então…..’. Esse tipo de atitude mostra o despreparo e pode até parecer que você não sabe bem do que está falando.

Para evitar essa situação, o ideal é fazer um roteiro! Dessa forma, seu roteiro irá funcionar como um plano de aula, no qual você irá registrar qual seu objetivo com o vídeo e um guia para tudo que você irá falar. É claro que o roteiro não é como um roteiro de cinema que você precisará decorar todas as “falas”, mas servirá como um direcionamento para a gravação do seu conteúdo.

Aqui, o segredo para seu roteiro ser efetivo é simples: Ensaie! Treine muito, isso fará com que a sua fala fique muito mais natural. Com muita prática, seu vídeo caseiro ficará com qualidade profissional!

Você pode, também, baixei nosso kit para fazer roteiros de sucesso!

Cenário

O cenário é uma parte importantíssima de um vídeo caseiro. O visual de um vídeo é uma peça importante para manter o público sempre interessado. Um ambiente sem graça, sem cor ou escuro desvaloriza muito seu vídeo e faz com que o público perca o interesse rapidamente. Por isso é tão importante planejar um bom cenário.

É claro que no contexto de vídeos caseiros não é tão fácil assim investir em um cenário profissional, mas é muito possível aproveitar objetos que você, provavelmente, já possui aí na sua casa!

video caseiro cenario

Olha só como alguns bixinhos de pelúcia e outros objetos bem coloridos já valorizam e muito o ambiente!

Colocar alguns enfeites, bichos de pelúcia, bonecos, brinquedos e afins já trazem bastante cor ao seu cenário e deixa a imagem mais cheia de vida! Você pode escolher um cômodo da casa que seja bem iluminado e montar um pequeno cenário – mas bastante atrativo!- com esses objetos.

Gravação

Após planejar é hora de colocar a mão na massa e finalmente gravar o seu vídeo caseiro!

Na hora de gravar, seja você mesmo! Mostre ao público quem você é. Tenha em mente tudo que você pesquisou e as informações que levantou durante a etapa de planejamento e mãos a obra!

Além disso, é importante observar também as seguintes dicas para fazer vídeos caseiros incríveis:

    • Seja conciso: Tente resumir as informações e fazer o vídeo o mais curto possível. Normalmente, a audiência tende a desistir do vídeo se ele for muito grande ou se for repetitivo.
    • Seja leve: Faça piadas, conte histórias. Essa é a melhor forma de engajar uma audiência que está a distância.
  • Fale um pouco mais devagar que o normal: Treine para falar um pouco mais devagar do que fala normalmente. Por vídeo, isso facilita um pouco mais o entendimento de quem está assistindo.
  • Mas duplique sua energia! É muito importante transmitir uma ideia de animação e energia nos vídeos. É aí que você mantém sua audiência sempre atenta.
  • Grave uma pequena parte antes, para fazer testes: Imagina gravar um vídeo inteiro para na hora de rever descobrir que estava desfocado? Isso é um grande risco de um vídeo caseiro. Por isso, grave um pequeno fragmento para testar, passe para o computador e analise a imagem ampliada.

Hora de editar!

Não é porque o seu vídeo é caseiro que ele precisa ser cheio de erros, certo? Uma ótima maneira de deixar o seu vídeo com qualidade profissional é caprichando na edição!

Essa parte, normalmente, dá um pouco de medo, não dá? Muita gente pode pensar que mexer com edição de vídeos é algo extremamente complexo e reservado para profissionais, mas com um pouquinho de prática é possível.

Uma ótima dica para valorizar o visual do seu vídeo caseiro é usar B-rolls! Você sabe o que eles são?

Os B-rolls são cortes nos vídeos nos quais aparecem outros conteúdos visuais, como fotos, animações, gráficos entre outros. Além de servirem para ilustrar seu vídeo e adicionar informações extras, os b-rolls são comprovadamente muito efetivos na hora de manter o público assistindo ao seu vídeo! Se quiser ler um pouco mais sobre a importância da retenção de público, você pode conferir aqui! Além disso, pode conferir neste artigo uma lista de 15 programas de edição, desde o iniciante ao avançado, que vão deixar seus vídeos caseiros com visual profissional!

Coloque seu vídeo no ar!

Pronto! Agora que você já tem muitas ferramentas para gravar seus vídeos caseiros, falta só colocar ele no ar, não é? Dependendo do seu propósito, algumas plataformas são mais indicadas do que outras. Se o seu objetivo é fazer vídeos caseiros e conseguir ganhar dinheiro com eles, o ideal é investir um pouco em uma plataforma profissional que te ofereça tecnologia de ponta e, principalmente, segurança! Afinal, de nada adianta se esforçar e investir dinheiro na hora de gravar seus vídeos se eles podem ser facilmente pirateados, certo?

Então, se você quer gravar seus vídeos e fazer deles um negócio de sucesso, que tal conhecer a plataforma Samba Play? Quer saber tudo que ela pode oferecer para seu negócio? Faça um tour clicando aqui! 😉

Agora você já está pronto para que seus vídeos caseiros se tornem um negócio de sucesso! Com um pouquinho de prática e dedicação você se prepara para gravar vídeos incríveis sem precisar gastar muito dinheiro.

E se quiser saber um pouco mais sobre esse mercado, baixe gratuitamente este material e veja como colocar o seu canal no ar. Boa leitura!

canal de video caseiro

Contribua com este post nos comentários

Por Em , Em janeiro 10, 2018

Web TV: o passo a passo para montar a sua

Se antes a TV tradicional reinava absoluta na preferência de espectadores de todas as idades e classes sociais, e era a forma mais fácil e assertiva de garantir que seu conteúdo ou anúncio fosse distribuído com sucesso e atingisse milhões de pessoas, hoje, com a popularização da internet e dos vídeos online, a Web TV ou TV na internet está tomando esse lugar.

De acordo com algumas estatísticas sobre o consumo de Mídia e TV (que você pode ver aqui), a forma como o espectador consome conteúdos em vídeo está passando por uma mudança notável e quem quer começar a investir nessa área, deve entender que somente a TV tradicional não é mais suficiente.

O consumidor está cada vez mais exigente em relação a conteúdo, recomendações, anúncios e mobilidade e a Web TV (ou TV Web) cada vez mais parece ser a opção mais adequada para atender a todas essas necessidades.

Confira alguns dados que foram levantados:

  • Mais de 50% dos consumidores disse assistir vídeos sob demanda na internet, como séries, programas e filmes, pelo menos uma vez por dia, o que indica um crescimento de mais de 20% em relação a 2010.
  • A maioria das pessoas considera anúncios online mais relevantes.
  • 50% dos consumidores que assiste TV tradicional diz não conseguir achar nada pra ver pelo menos uma vez por dia.

Com a internet cada vez melhor, mais democrática e os vídeos e os aparelhos mais leves e dinâmicos, a tendência é que aos poucos a Web TV reine e que os vídeos sob demanda dominem a internet, gerando muito lucro e conteúdos de alta qualidade.

Se você quer aproveitar essa tendência ainda em 2018 e montar sua própria Web TV, é só continuar lendo! Nesse post, ensinaremos como montar seu próprio canal de conteúdos e fazer sucesso com seus vídeos online.

E antes de começar, que tal aprender a montar seu próprio estúdio para gravar os vídeos de uma Web TV (mesmo com baixo orçamento)? Acesse o material abaixo!

montar um home studio para web tv

Como montar uma Web TV

Criar uma Web TV ou TV na internet pode ser a melhor opção para garantir que seu conteúdo atinja as pessoas certas e gere excelentes resultados em termos de visualizações, lucratividade e praticidade.

Em uma Web TV, seu público é quem decide aquilo que quer ver, independentemente de horários, programação ou do local em que ele se encontre. Nela, tudo que importa é o conteúdo. Se ele for atrativo para o público que está acessando, ele vai ser assistido e vai fazer sucesso!

Então, do que você precisa para fazer sua própria Web TV? Basicamente, apenas de concentrar seus vídeos em um site e fazer com que eles atinjam seu público na internet.

E se você quer distribuir seus vídeos de forma profissional e pessoal, estreitando a relação com sua audiência e mensurando resultados, usar o YouTube não é a melhor solução (entenda aqui).

Então, como montar uma Web TV?

Você precisa seguir 4 passos que são: produzir um bom conteúdo, escolher o site ou media center, traçar uma boa estratégia de monetização e fazer a divulgação dos vídeos.    

No vídeo a seguir, nosso CMO, Pedro Filizzola, explica um pouco de cada etapa e o processo detalhado pode ser encontrado no restante do texto. Confira:

01. O conteúdo da Web TV

Na Samba, acreditamos que conteúdo é rei. Com cada vez mais conteúdo sendo postado na internet a cada segundo, é importante que você crie material raro, relevante e de qualidade.

Para garantir mais abrangência, visualizações e relevância para seu conteúdo em vídeo, algumas pequenas dicas são valiosas:

01. Estude seu público: você precisa entender quem ele é, o que ele quer, o que ele gosta, quais suas necessidades, e então garantir que seu conteúdo seja ideal para ele.

02. Faça conteúdos de alta qualidade: conhecendo seu público, capriche no conteúdo dos vídeos e entregue informações completas e relevantes para ele. Mostre que você é autoridade no que está falando e que seu conteúdo não é só mais um na internet.

03. Capriche nas gravações: comece desenvolvendo um bom roteiro, cuide da imagem e da iluminação, tome cuidado com o áudio e faça uma boa edição! Para isso, você não precisa ser um profissional de vídeos e nem ter os equipamentos mais caros, basta estudar um pouco e entender o que você está fazendo.

Uma vez no ar, é importante que você saiba como seus conteúdos estão sendo consumidos para que eles possam ser aprimorados sempre. Analise seus maiores sucessos e também seus fracassos e aos poucos você vai descobrir o que funciona ou não em sua Web TV.

02. O site

Em segundo lugar (ou mesmo que você ainda não esteja produzindo conteúdo), você vai precisar de uma página fixa em que seu vídeo será exibido e que será, em essência, a sua Web TV.

Um completo Media Center personalizado e funcional é a forma mais ideal para que você construa sua Web TV. Plataformas profissionais garantem a segurança, escabilidade e opções de personalização que você precisa. Na hora de escolher seu media center, sempre confira se ele pode ser modificado com as cores e o logo da sua marca, se ele é seguro e, principalmente, se é simples de editar. Afinal, a não ser que você tenha uma equipe técnica à disposição, não é bacana ter que enfrentar um processo burocrático e complicado a cada vez que você quiser publicar um vídeo.

Outras características importantes que seu media center deve garantir são:

Qualidade de entrega

É importante que o conteúdo da sua Web TV seja entregue com alta disponibilidade, alto desempenho e inteligência na distribuição, tomando como base a melhor rota de entrega de acordo com a presença física em que o usuário está requisitando.

ABR

Adaptive Bitrate Streaming é a capacidade de adaptar a qualidade do vídeo entregue à quantidade de banda disponível do usuário que estará acessando e consumindo o conteúdo da sua Web TV.

Dessa forma, enquanto um usuário está assistindo ao vídeo, o Player monitora a conexão do usuário e entrega a melhor qualidade do vídeo de modo que ele tenha uma experiência agradável, sem problemas de travamento, buffering ou tela preta.

Multi-device

Ser multi-device nada mais é do que ter a capacidade de entregar o conteúdo da sua Web TV para diferentes aparelhos com conexão de internet: iOS (dispositivos como iPad e iPhone), Android, TV Conectada (Smart TVs), web, consoles de video-game (XBox, PlayStation), e diversos outros.

Felizmente, hoje para construir seu site de vídeos, você não precisa estudar programação ou contratar designers e desenvolvedores para executar o projeto. Já existem softwares online que te permitem não só criar uma Web TV personalizada, como também gerenciar os conteúdos e os usuários.

O Samba Play é uma dessas ferramentas e garante alta qualidade para criar sua Web TV, sem que você tenha que se preocupar com estrutura tecnológica ou questões burocráticas. Nele, você pode montar seu próprio media center e disponibilizar seu conteúdo para sua audiência, possibilitando a assinatura ou venda de conteúdo avulso, com um sistema de billing (cobrança) integrado.

Quer saber mais sobre nossa plataforma e ver como ela pode facilitar a criação da sua TV na internet? Basta conferir nosso artigo sobre o produto clicando aqui ou fazer um tour pela plataforma, clicando na imagem abaixo:

conheça o samba play e comece a vender cursos online

03. Monetização

Quando o conteúdo da sua Web TV já estiver começando a ser produzido com uma boa periodicidade, atingindo a audiência certa e ganhando em relevância e visualizações, você já deve traçar estratégias que possibilitem a monetização, a manutenção e a sustentabilidade desses vídeos.

Na maioria das TVs Web, a monetização dos conteúdos é feita por meio do modelo de assinaturas, assim como ocorre na Netflix e em outras plataformas como o Spotify. Porém, há também a possibilidade de você vender o seu conteúdo por categorias ou de forma avulsa.

No final das contas, é você que deve decidir qual o modelo é o ideal, sempre levando em conta o tipo de conteúdo que você produz e a audiência que quer atingir. Se você quer entender mais sobre as formas existentes de ganhar dinheiro com vídeo e ver qual é a ideal para você, pode baixar gratuitamente o nosso Guia de Monetização em vídeo, clicando aqui.

04. Divulgação

Agora que você já conheceu todos os passos básicos para criar a sua Web TV e monetizar o conteúdo com ela, temos mais uma dica para impulsionar seus materiais e garantir o sucesso de seu conteúdo: invista em divulgação!

Não adianta você ter um conteúdo incrível se as pessoas não conseguem acessá-lo ou se ele não está visível para quem realmente interessa. Portanto, invista na divulgação dos materiais da sua Web TV antes, durante e depois do lançamento. Anote algumas dicas:

  • Crie teasers para divulgar seu conteúdo de forma rápida nas redes sociais
  • Divulgue o material nas redes da sua empresa – Facebook, Twitter, Instagram – e considere também investir em anúncios pagos para atingir mais pessoas
  • Envie newsletters periódicas com os conteúdos mais acessados ou que você considera mais relevantes
  • Peça a possíveis parceiros que também divulguem em seus sites, redes sociais e perfis pessoais

Investir na otimização de seus vídeos para mecanismos de busca como o Google e o Bing também é essencial para atrair mais pessoas para assistir o conteúdo de sua TV na internet. Por isso, capriche no SEO para vídeos, trabalhando sempre com palavras pensadas para seu público, investindo em tags, usando descrições atrativas para cada conteúdo e sempre publicando de forma organizada.

E caso você queira mais dicas para melhorar a divulgação da sua Web TV, pode dar uma olhada neste artigo aqui.


Viu como é fácil? Que tal começar?

Apenas seguindo esses passos simples, você já terá em mãos uma grande oportunidade de revolucionar seus negócios, criando uma Web TV de qualidade, com conteúdo relevante, bem distribuído e com grande potencial de engajar usuários, oferecendo uma experiência única para o seu visitante.

Se você já tem conteúdo ou vai começar a produzir e quer distribuir de forma bem organizada, gerando grandes resultados na internet, crie sua Web TV! Defina seus objetivos, o tipo de conteúdo que será produzido, pense em seu público e na abordagem ideal para ele, trace estratégias de divulgação e monetização e aproveite ao máximo de todo o potencial dos vídeos online.

E se você quer saber mais detalhes sobre todo o processo que descrevemos nesse artigo, acesse o material abaixo sobre como montar a sua WebTV e sucesso!

web tv

Contribua com este post nos comentários

Por Em , Em janeiro 8, 2018

Novidade Samba Play: enriqueça o conteúdo de seus vídeos com anexos!

Faça um tour pelo Samba Play e conheça essa e outras funcionalidades da plataforma.

Os vídeos já são um dos tipos de mídia mais utilizados na internet. De acordo com um relatório da Cisco, ainda em 2018, eles já devem se tornar responsáveis por 80% de todo o tráfego da internet.

E isso não está acontecendo por acaso: comprovadamente, os vídeos conseguem ser mais atrativos para a audiência, por serem mais didáticos, próximos e simples de consumir. Ao contrário de um livro denso ou um curso presencial, vídeos podem ser assistidos facilmente em qualquer lugar e seu conteúdo é facilmente assimilado e aplicado ao dia a dia. Principalmente em situações de aprendizagem, como em cursos online, os vídeos são essenciais e, além de facilitarem a compreensão do assunto, diminuem as taxas de evasão e tornam a experiência educacional muito mais agradável.

Porém, em muitas situações, complementar seu conteúdo em vídeo com outras mídias é essencial e representa não só uma outra possibilidade de aprendizado, mas também um enorme enriquecimento para seu curso.

Imagine por exemplo que você está dando uma aula complexa de física e que os alunos precisam anotar determinadas fórmulas para que eles consigam progredir com o conteúdo. Então, em vez de fazer com que eles fiquem parando o vídeo para anotar as coisas ou tirar fotos, você pode disponibilizar um documento em PDF com tudo que esse aluno irá precisar! Além disso, ao final do vídeo, para que seus alunos treinem o que aprenderam, você pode anexar ao conteúdo uma lista de exercícios.

Um conteúdo complementa o outro e, no final das contas, quem sai ganhando é o seu aluno!

E para possibilitar essa experiência de aprendizado mais rica e completa aos alunos, agora quem é cliente Samba Play poderá anexar até 5G de documentos aos seus vídeos na plataforma. Esses documentos podem ser arquivos em PDF, e-books, imagens, áudios e até pastas em ZIP. Cada vídeo pode ter até 10 arquivos anexos, sendo que esse também é o limite por coleção.   

videos com anexo

Para ativar a funcionalidade, basta ir até o seu painel de administrador do Samba Play e acessar sua área de gerenciamento de vídeos e coleções, ou acessar a nova área de anexos, dentro da aba de conteúdo.

E então? Curtiu a novidade e está pronto para deixar seus conteúdos em vídeo ainda mais ricos? Então corra no Samba Play e anexe seus materiais complementares!

E se o seu negócio é conteúdo de alta qualidade e você ainda não conhece o Samba Play, clique aqui ou no banner abaixo e veja como a plataforma funciona e como ela pode te ajudar a ganhar mais dinheiro e reconhecimento com seus materiais!

samba-play

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em janeiro 5, 2018

Consumo mundial de vídeos sob demanda duplica

O consumo de vídeos online em plataformas de streaming duplicou no ano passado. Segundo uma pesquisa da Conviva, uma empresa dedicada a análises e inteligência artificial do mercado dos vídeos, o número de horas de conteúdo assistidas em 2017 chegou a 12.6 bilhões no mundo inteiro.

Os dados são referentes ao consumo de conteúdo Over The Top (OTT), que são os conteúdos pagos sob demanda, nos formatos Netflix, HBO Go, Globo Play e outros.

Além disso, a pesquisa ainda apontou um aumento no número de dispositivos utilizados para assistir aos conteúdos em 9%. Em 2017, o número de tais dispositivos alcançou a incrível marca de 2.4 bilhões.

Em um relatório sobre o mercado de streaming no ano passado, a empresa afirmou que “vem percebendo o crescimento da taxa de horas de vídeo assistidas ao longo dos últimos anos, a medida em que os consumidores passam da TV tradicional (ou a cabo) para os diversos serviços pagos de OTT […]”. Além disso, a Conviva afirma: “Esperamos ver o crescimento acelerado do consumo de vídeos ao longo de 2018, tanto para consumidores já assíduos quanto para novos clientes.”

Os números são referentes às empresas clientes da Conviva, que representam aproximadamente 60% da população da internet. Isso significa que os números de horas de conteúdo assistidas, assim como o número de dispositivos utilizados são ainda mais expressivos ao redor do mundo.

Em dezembro, 64% do consumo de vídeos já era proveniente de aplicativos, enquanto 35% partia de browsers da internet (Microsoft Edge, Google Chrome, Firefox e outros). Isso mostra um crescimento de 160% da atividade de vídeos em aplicativos e 23% dos browsers. Em 2016, o ano anterior, os números mostravam exatamente o contrário. A maior parte dos vídeos era assistida pelos browsers e não por aplicativos. Os dados mostram uma rápida e expressiva mudança em relação aos aplicativos do mercado OTT.

Esse avanço não diz respeito somente aos números, mas também, da qualidade do serviço entregue. Segundo a mesma empresa, das 47.1 bilhões de tentativas de conexão, 38.8 bi foram bem sucedidas. Além disso, o tempo de inicialização foi, em média, 4.84 segundos, uma melhoria de 23% em relação a 2016.

Dados tão expressivos mostram para onde caminha o futuro da televisão clássica, não só nos Estados Unidos, mas no mundo inteiro. Isso indica que é a hora certa de se investir nesse mercado milionário.

Para fechar o relatório, a empresa ainda afirmou que “O mercado do OTT continua ver um crescimento explosivo, não só no número de visualizações, mas na quantidade de tempo gasto assistindo vídeos”

Se você quer começar a ganhar dinheiro nesse mercado também, baixe esse material gratuito e aprenda o passo a passo para criar um canal de vídeos OTT e colocá-lo no ar.

como colocar seu canal no ar e conseguir assinaturas

Contribua com este post nos comentários

Por Em Em janeiro 5, 2018

Como fazer um roteiro de vídeo de forma simples

Qual a importância de um bom roteiro? Quando se fala em produção de vídeos, muita gente pensa logo em equipamentos e coisas mais técnicas e práticas da gravação, como câmera, iluminação e também o estúdio. Porém, antes de chegar na etapa de gravação, quem quer produzir vídeos para negócios ou ganhar dinheiro com esse material precisa saber que existem outros processos importantes que não devem ser de forma nenhuma negligenciados. São eles: o planejamento e a produção de um roteiro.

Sem essas duas etapas, seu vídeo fica sem direcionamento, sem objetivo, e pode acabar fracassando ainda durante as filmagens. O planejamento e um bom roteiro é que vão guiar toda a produção do seu vídeo e ainda esquematizar as cenas, ordem das falas, marcar os letterings e legendas que precisam ser inseridos, os movimentos de câmera e também garantir que seu vídeo tenha uma ordem lógica, com início, meio e fim.

Mas então vem a questão: Como planejar uma produção e fazer um roteiro de vídeo? E mais: como isso pode ser feito mesmo que você não tenha muito conhecimento sobre produção e esteja trabalhando de forma mais simples?

Quando se fala em roteiro e planejamento muita gente foca apenas nos exemplos que vemos quando se trata de filmes hollywoodianos: um documento extenso, com muitos termos técnicos, uma formatação complicada e ordens difíceis de seguir. Porém, o roteiro deve ser feito para te ajudar na hora da gravação – e não complicar mais – e você pode desenvolvê-lo de forma simples e eficiente.

Leia o texto por completo para entender tudo sobre o assunto e conseguir fazer seus próprios roteiros.

E para te ajudar ainda mais na hora da prática, você pode baixar nosso Kit Gratuito para Produção de Roteiros.

como fazer um roteiro de video simples

Vamos primeiro ao planejamento:

O planejamento do roteiro

O roteiro é uma das primeiras partes que você deve produzir quando vai gravar um vídeo, mas ele não é a primeira. Principalmente se você está trabalhando com os vídeos para gerar negócios ou para ganhar dinheiro, o planejamento deve ser o ponto de partida.

Para fazer um bom planejamento, você deve se preocupar não só com o vídeo em si, mas também com diferentes pontos externos a ele como objetivos, audiência e canais de divulgação – inclusive, aqui você pode ler mais sobre os diferentes canais de divulgação para seus vídeos.

Uma boa forma de fazer o planejamento é começar respondendo às perguntas “para que?”, “para quem?”, “onde?” e “como?”.

Exemplo de Planejamento

Eu sou uma especialista em língua portuguesa e quero começar a produzir vídeos educativos. Para que? Para que eu consiga impactar mais pessoas com meus conteúdos, ganhe autoridade e consiga mais alunos em meu curso. O objetivo é conseguir atingir 1000 pessoas no primeiro mês e trazer 10 novos alunos a partir dos vídeos. Para quem? Meus vídeos serão destinados à adolescentes e pessoas que estão tentando ingressar em uma faculdade e farão, por exemplo, o ENEM. Por isso, minha abordagem deve ser mais descontraída, devo usar uma linguagem fácil de compreender, dar muitos exemplos durante o vídeo e usar memes e bordões que estejam em alta para facilitar a compreensão do conteúdo. Onde? Vou divulgar esses vídeos em minhas redes sociais e em canais gratuitos de exibição, para conseguir impactar mais pessoas e fazer com que elas façam meu curso. Portanto, o conteúdo deve ser curto, impactar logo nos primeiros segundos e ser altamente relevante. Como? Vou produzir vídeos de aproximadamente 30 segundos com dicas pontuais sobre matérias específicas e vou sempre investir em títulos e imagens atrativas, que chamem a atenção das pessoas. Vou também discutir questões das principais provas de vestibular do país e dar dicas para resolvê-las de forma rápida.

Entendeu? Então, a partir disso, você vai desenhando sua estratégia e encontrando as melhores formas de deixá-la mais efetiva. Lembre-se sempre de trabalhar com termos práticos, estabelecer objetivos tangíveis para cada vídeo e ser bastante específico em cada ponto. Um planejamento muito superficial pode não ser tão eficiente.

E o ideal é que você faça primeiro esse planejamento para a estratégia como um todo e depois também faça algo parecido para cada vídeo que for produzir. Indique qual será o assunto, o objetivo do vídeo, quais pontos você deverá abordar para que ele seja eficiente, onde ele será divulgado prioritariamente e etc.

Feito isso, você pode partir para o desenvolvimento do roteiro. Mas antes, precisamos fazer uma diferenciação.

Entenda a diferença entre um roteiro de cinema e um roteiro simples

Como já citamos, quando alguém vai produzir um roteiro para seus vídeos e procura por exemplos, normalmente se depara com os documentos utilizados por grandes produções internacionais e isso pode assustar. Isso porque esses roteiros normalmente são bastante complexos, extensos e cheios de termos técnicos. Eles têm até mesmo uma formatação considerada padrão que pode ser bastante difícil de entender para quem nunca teve contato com produção de vídeos.

Portanto, esse tipo de roteiro não é o mais indicado caso você vá produzir vídeos para cursos, canais caseiros ou outros conteúdos educativos. Isso porque ele pode complicar mais do que simplificar as coisas em sua produção e fazer você ter uma aversão desnecessária ao planejamento e produção de roteiro.

Investir em um formato mais simplificado pode ser muito mais adequado em diversas ocasiões e vai ter o mesmo efeito que um documento profissional.

Se você nunca viu um roteiro profissional, como os de grandes filmes de Hollywood, vale acessar esse site e dar uma conferida. Aqui neste link você também pode ver (em inglês) como foi feito o roteiro de “O Poderoso Chefão”, um clássico super premiado.

E calma! Nós não estamos dizendo que você deve ignorar esse tipo de escrita. Conhecer como são montados os roteiros profissionais é essencial. Estudar esses documentos pode te ajudar muito a melhorar sua própria escrita, a conhecer novos termos técnicos e opções de construção de cena e a deixar seus vídeos ainda mais simples de serem produzidos.

Termos técnicos básicos que vão te ajudar na hora de escrever

E falando em termos técnicos, existem algumas expressões mais técnicas utilizadas quando se trata de audiovisual e é essencial que você tenha pelo menos uma noção do que elas significam:

Off Screen (O. S.)

Off Screen é uma expressão relacionada ao som de vozes em uma cena. Ela é utilizada quando no roteiro se quer marcar uma voz de alguém que não está visível, mas está fisicamente presente na cena. Por exemplo, quando o foco está em uma pessoa na sala de uma casa, mas ouvimos uma outra gritando da cozinha.

Voice over (V. O.)

O Voice Over também é referente às vozes na cena, mas, ao contrário do Off Screen, é inserido quando ouvimos a voz de alguém que não está visível e nem presente na cena fisicamente, como um narrador, por exemplo.

Background (BG)

Em roteiros essa expressão também é mais comumente utilizada para se referir aos sons, mas pode ser usada para cenário e outras inserções. De forma bem simples, podemos dizer que background é aquilo que está no fundo, que tem menos destaque na cena em relação a outros elementos. Uma música em background, por exemplo, é aquela que quase não se ouve e que fica realmente no fundo, dando lugar de destaque para outros elementos como a voz.

Fade

Em uma tradução literal, fade seria equivalente a esmaecer e aparece com esse sentido mesmo. Uma imagem ou som em fade in é aquele que vai aparecendo progressivamente, ficando mais forte com o tempo, e em fade out é aquele que vai desaparecendo na cena, dando lugar a outra coisa ou encerrando uma sequência.

Quer aprender mais termos técnicos que precisam estar na ponta da língua de quem produz conteúdo em vídeo? Baixe o Glossário do Produtor de Conteúdo em Vídeo gratuitamente!

glossario para roteiro

Como fazer um roteiro de vídeo simples

Fazer um roteiro para vídeos é uma tarefa que pode ser bastante simples e vai facilitar sua produção se você investir em uma estrutura intuitiva e dinâmica de roteiro. Existem diversas variações do modelo de roteiro profissional, como utilizado pelas grandes produções, e você pode adotar a que se adequar mais às suas expectativas e às necessidades de seu projeto.

Aqui nós não vamos aprofundar no modo de produção de um roteiro profissional, mas vamos dar dicas para que você produza seu próprio roteiro adaptado, semdificuldades e de maneira eficiente.

Todo roteiro deve ter basicamente:

  • Uma breve descrição das cenas e do que acontecerá entre elas.
  • As falas dos atores, narrações e outros sons que vão aparecer.
  • Indicações para a edição, como de corte, inserção de animação e legendas.
  • Definição do cenário.
  • Sugestões de encenação para os atores e de movimentos e posição de câmera para quem for gravar.
  • Indicações sobre a inserção de trilha e efeitos sonoros.

Lembre-se que o roteiro deve servir realmente como um guia para a gravação. A pessoa que estiver produzindo o vídeo deve ser capaz de realizá-lo com perfeição a partir apenas das instruções ali contidas. Por isso, capriche, seja claro em seu texto e lembre-se de ser didático, tomando cuidado com os detalhes da produção.

01. Escolha um modelo de roteiro

O modelo de roteiro que você deve utilizar vai depender muito do seu propósito, o tipo de vídeo que você irá produzir e quantas pessoas você tem na sua equipe. Não existe modelo ‘melhor’ ou ‘pior’, tampouco um modelo ‘certo’ e um ‘errado’. O ideal é escolher o melhor para você!

Para ajudar na escolha, selecionamos 3 modelos simples mas muito úteis que você pode utilizar na hora de bolar seu roteiro.

Texto direto

Esse modelo de roteiro se assemelha muito a um texto ou redação. Não tem mistério, a ideia é escrever tudo que vai ser dito no vídeo, independente se a pessoa falando está em cena ou se é uma narração. No texto direto, escreva exatamente como vai ser falado eensaie a partir desse modelo, pois, com a prática, a fala se tornará mais natural e menos mecânica. É claro que não é preciso se preocupar com decorar exatamente, palavra por palavra, o que está escrito,mas esse guia irá te ajudar muito a se focar no que deve ser dito e não se perder em outros assuntos.

Benefícios:

  • Esse modelo de roteiro é ideal para quem irá gravar sozinho – sem equipe – e já tem tudo estruturado na cabeça. Como não possui muitas informações de cenas, ele serve mais como um guia para gravação para quem já sabe bem o que quer fazer no vídeo.
  • Também é ideal para vídeos não muito complexos em edição, como vídeos de tutorial ou vídeo aulas, no qual não aparecem muitas pessoas em cena ou muitos cortes e efeitos.
  • Vídeos nos quais o áudio é majoritariamente narração também podem ter roteiros desse modelo, pois o texto direto facilita visualização por aparelhos como tablets e smartphones, eliminando a necessidade de impressão de muitos papéis.

Roteiro de gravação ou Roteiro Técnico

Esse modelo também é bem simples, mas leva um pouco mais de informações do que o modelo de texto direto. Nele, o roteiro é separado em duas colunas, a primeira contém tudo que diz respeito ao áudio do video, a segunda, tudo que diz respeito à imagem.

Imagine que você irá gravar um vídeo sobre exatamente o assunto que tratamos agora, um bom roteiro. Olhe só como você poderia formular esse modelo:

exemplo de roteiro de gravação

Simples, porém contém tudo que é preciso para a gravação de um vídeo de qualidade.

Benefícios:

  • Esse modelo pode ser usado quando o responsável pela criação do roteiro não participa da gravação ou edição do vídeo. Assim, ele pode passar para o produtor todas as informações que pensou e planejou para o vídeo.
  • Torna mais fácil visualizar o resultado final do vídeo, colocando lado a lado as informações de áudio e as de vídeo.
  • Mesmo que você produza seu conteúdo em vídeo sozinho, este modelo de roteiro é uma ótima forma de colocar boas ideias no papel para evitar que você as esqueça.

Espelho de 5 colunas

Aqui na Samba nós utilizamos um modelo de roteiro um pouco mais completo, mas ainda bem simples e eficiente. Ele é constituído por cinco colunas: uma com a numeração da cena, outra com os textos falados, uma com a indicação da fonte da voz, outra com os letterings e última com as descrições de cena. Funciona muito bem para nossas produções e também pode ser ideal em muitos outros contextos. 

Captura de Tela 2017-01-24 às 2.14.48 PM

Se quiser baixar este modelo em formato editável para usar em suas produções, basta clicar aqui. 

Junto com esse documento, você ainda terá acesso a mais 3 modelos editáveis de roteiro, incluindo o de cinema e aprenderá um pouco sobre a importância do storytelling no audiovisual.

Caso você ache necessário, pode fazer algumas alterações nos formatos propostos até encontrar aquele que será mais adequado para seus conteúdos. No final desse texto mesmo, você pode encontrar outro modelo de roteiro, que é o que foi usado para produzir o vídeo que você assistiu lá em cima. Experimente!

02. Capriche nos segundos iniciais

Com a grande quantidade de informação a que temos acesso simultaneamente, nossa atenção é difusa e dificilmente será entregue a algo que enrola demais e só fica interessante no final. Por isso, os segundos iniciais de um material audiovisual são muito importantes. Afinal, são eles que vão fazer uma pessoa querer ou não parar para assistir o seu vídeo.

Então, capriche na sua introdução de vídeo e trabalhe de forma criativa para ganhar a atenção dos espectadores antes dos 20 segundos do material.

Existem inúmeras formas de fazer isso e algumas das mais comuns são:

– Fazendo perguntas ao público ou começando com frases impactantes. Ex: “Você sabe quais são as redes sociais preferidas pelos adolescentes?” ou “Você sabia que até 2019, 80% do tráfego da internet será proveniente de vídeos online?”.

– Colocando-se no centro da ação. Ex: se você é um professor de Biologia, pode gravar uma aula sobre processos de metamorfose em um borboletário ou se seu negócio é de culinária, pode gravar um vídeo na cozinha de um restaurante 5 estrelas.

– Aproveite assuntos do momento. Ex: você pode se aproveitar de filmes e séries do momento para fazer relações com aquilo que você ensina em seus vídeos. Você pode também comentar acontecimentos recentes importantes (como eventos políticos), fazendo análises e relações com seu conteúdo.

03. Encontre a duração ideal para seus vídeos

Uma das perguntas mais comuns quando se trata de produçãode vídeos é: qual a duração adequada para meu conteúdo?

Primeiramente, é preciso esclarecer que não existe uma resposta definida para isso. A duração de cada conteúdo sempre deve ser definida de acordo com fatores como seu objetivo, o público e o tipo de conteúdo que você vai abordar. Por exemplo, se você está produzindo um vídeo para suas redes sociais, em que o consumo de conteúdo é mais rápido, o normal é que esse vídeo seja mais curto – até uns 3 minutos. Já se você está produzindo uma videoaula para seu curso online, ela pode tranquilamente ter uma duração maior – de 10 a 15 minutos.

De forma simplificada, costumamos dizer que a duração ideal de um vídeo é aquela em que você conseguiu falar tudo que queria, sem enrolar e ficar “enchendolinguiça”.

Portanto, na hora de escrever seu roteiro, seja criativo e carismático, mas seja também objetivo e dê ao público aquilo que você prometeu.

04. Adeque o tom da sua mensagem

Uma das coisas mais importantes em um vídeo é a forma como você se comunica e ela sempre deve ser totalmente pensada em função do público. Você precisa “falar a mesma língua” que a sua audiência, pois, caso contrário, pode perder em engajamento e até em credibilidade perante ela.

Imagine, por exemplo, que você está ministrando um curso online para advogados recém formados e então começa a usar gírias e regionalismos que não tem nenhuma relação com seu tema e não agregam nada para o conteúdo. Ou, que você está ensinando geografia para uma turma de ensino médio e começa a usar palavras muito complicadas ou jargões da profissão. Isso, além de fazer com que seu vídeo fique chato e complicado de compreender, te faz perder em seriedade e coloca sua autoridade à prova.

Portanto, sempre que for escrever um roteiro, antes de começar, pense em quem é o seu público e veja as melhores formas de se comunicar com ele. Não precisa forçar a barra – como ficar usando bordões e memes de forma exagerada só porque você está falando com adolescentes – mas é bom tentar trazer parte da realidade da audiência para seus vídeos. Isso vai facilitar a comunicação e a compreensão do conteúdo como um todo.

05. Não tenha medo de começar a escrever

O passo mais importante é começar a escrever. Muitas pessoas ficam tempo demais presas ao planejamento e outras etapas e esquecem de realmente colocar a mão na massa.

Apenas escrevendo você poderá ter uma noção real de como seu roteiro está se desenvolvendo e, então, fazer os ajustes necessários para ter um excelente resultado final.

Você pode começar fazendo um rascunho básico das suas ideias e depois ir acrescentando detalhes aos poucos, a medida que seu roteiro for amadurecendo. Lembre-se apenas de ser organizado e manter uma estrutura desde os primeiros rabiscos. Isso vai facilitar muito sua vida na hora de escrever a versão final e evitar que você cometa erros de sequência, que podem atrapalhar sua gravação.

E para te incentivar a começar, a seguir temos algumas dicas de softwares de roteiro que você pode utilizar:

Softwares de roteiros

Existem programas especiais para quem precisa criar roteiros e nós vamos te apresentar alguns deles. Vale apenas ressaltar, desde já, que eles são softwaresprofissionais, que facilitam a escrita, mas seguem os padrões adotados em grandes produções, então isso pode ser um problema.

Celtx: Uma ferramenta em português, com algumas funcionalidades gratuitas, que pode te ajudar na hora de escrever roteiros profissionais.

Final Draft: Considerado por muitos como o melhor programa para criação de roteiros, o Final Draft possui muitos recursos de edição e escrita. Porém, ele é um software bem mais caro e não possui versão gratuita (e nem em português).

Scrievener: Outro editor de textos cheio de funcionalidades que pode atender muito bem. É uma alternativa aos mais populares Celtx e Final Draft.

Se você quer trabalhar com um roteiro mais simples, a sugestão é que utilize editores de texto comuns. Você pode usar por exemplo o Word, que oferece infinitas opções de formatação, ou o Google Docs, que é um editor totalmente online.

06. Revise tudo em voz alta e de forma cronometrada

Por fim, é muito importante revisar seu roteiro por completo e fazer uma leitura em voz alta para ter uma percepção melhor de como ficarão as falas e as cenas dentro do vídeo. Leia pausadamente, vá fazendo correções e pense em deixar o texto o mais natural e fluido possível, para facilitar a compreensão.

Se possível, também cronometre o tempo que você gastou na leitura, para que seja possível ter uma ideia de qual será a duração aproximada do vídeo. Isso vai ajudar a não ter surpresas na hora da gravação e edição dos vídeos.


Quem pretende ter um negócio baseado em vídeos precisa produzir conteúdos de qualidade. Ter um bom planejamento e roteiro é o primeiro passo para conseguir isso.

Agora que você já entende qual a função desse documento e sabe o básico para produzir o seu, é hora de começar a ter ideias e escrever.

Além do modelo simplificado que disponibilizamos ali acima, baixando o material oferecido aqui neste link, você tem acesso a mais dois roteiros originais de produções cinematográficas para estudar e confere outro modelo simplificado que foi usado para gravar o vídeo que você assistiu no início do texto (se você não viu, volta lá e confere! É rapidinho e vale a pena!). 

E caso você queira entender mais sobre produção de vídeos, indicamos mais dois artigos que podem te interessar:

E agora que você já tem tudo pronto e planejado para começar a produzir seus vídeos, uma boa dica é montar seu próprio estúdio caseiro – de forma simples e com baixo orçamento. Acesse o material abaixo e veja como fazer isso!

depois de fazer o roteiro, monte seu estudio

Contribua com este post nos comentários

Assine e receba todas as novidades sobre vídeos online em seu email.